Programação Florianópolis 2015

Sexta-feira, 04 Set

 Horário Sala Insights Sala Sinapses
 08:30 Credenciamento
 09:18 Abertura Oficial – Dairton Bassi e Cristiano Schwening
9:30
Explorando um Mindset ágil para conquistar a alta gestão em ambientes não ágeis
TREND TALK Fabio Cruz (FabioCruz.com) 18 minutos

O número de empresas que ainda não utilizam metodologias ou frameworks ágeis ainda é muito alto no Brasil, e se somarmos a este número as organizações que utilizam o ágil de maneira errada ou parcial, este número sobe ainda mais. Muitas destas empresas possuem mais de 10 anos de atuação e já instituíram culturas de trabalho e vícios que muitas vezes não permitem ou dificultam muito as mudanças e não deixam novas abordagens como o ágil surgir e mostrar os seus benefícios e valores. O objetivo desta sessão é apresentar alguns pensamentos ágeis facilmente aplicáveis no dia-a-dia das organizações, explorando-os de maneira a mudar a mentalidade organizacional para promover mudanças reais e duradouras em empresas tradicionalmente engessadas, iniciando um processo de transformação da cultura tradicional para ágil.

A arte do Tailoring em Projetos Ágeis
TREND TALK Vitor L. Massari (Hiflex) 18 minutos

Demonstração de como a combinação de diversos frameworks e métodos ágeis como Scrum, Extreme Programming, Filosofia Lean, princípios e valores do manifesto ágil podem resultar em projetos de sucesso, evitando a preocupação em seguir uma determinada metologia ou framework à risca. Demonstração rápida de projeto case.

Do Caralhice da Porta pra Dentro – Explorando os Limites da Agilidade em Remuneração e Governança de Lucro Máximo
TREND TALK Klaus Wuestefeld (Objective e HE:labs) 18 minutos

“Vamos te pagar o mínimo possível”. É isso que está dizendo a empresa ao funcionário quando paga a ele o salário de mercado. Afinal, por menos que o valor de mercado, o funcionário iria embora. Por isso, todo discurso de “Vamos pessoal! Uhu! Estamos todos no mesmo barco!” vindo dos donos das empresas e de seus representantes, os gerentes, deixa sempre aquele gostinho residual de demagogia. Permeia as empresas um sentimento subjacente ruim e constante de cabo-de-guerra, de barganha, de negociação, de nós-versus-eles, entre funcionários e gestão. Essa distorção é ainda maior em empresas que se dizem ágeis, uma vez que deveriam ser seu valor principal a coesão das equipes e a valorização das pessoas. Em muitas situações, para o aumento de salário, mais que a competência do profissional, valem os “puxa-saquismos” e as ameaças de saída da empresa. Como conselheiro e sócio de empresas de software do caralho, quero apresentar para discussão as inovações que estou trazendo para a governança da HE:labs, implantando remuneração justa e abundante.

Do Caralhice da Porta pra Fora – Explorando os Limites da Agilidade em Vendas e Branding
TREND TALK Sylvestre Mergulhão (HE:labs) 18 minutos

Ter sucesso em projetos de software sob demanda utilizando metodologias ágeis requer um alinhamento fino entre o marketing, vendas e branding com o restante da operação. Muitos tentam ser ágeis mas pecam na porta de entrada, que é o processo de vendas. Nesse talk Rafael Lima irá contar o que fez para suplantar esses desafios nos últimos 4 anos trabalhando na HE:labs, que cresceu rapidamente e construiu dezenas de cases de sucesso.

Rodada de discussões 18 minutos
Rodada de discussões 18 minutos
10:30
Chega de “tapa na UX”!
TREND TALK Tiago Silva da Silva (UNIFESP) 18 minutos

Você é Designer, UX Designer, UXer, Desenvolvedor, Gerente, Analista ou, de alguma forma, está envolvido com o desenvolvimento de software?
Você já ouviu ou falou algo como: “- Dá um tapa na UX aí!”; “- Faz a UX da minha app aí?”; “- Tá faltando UX aí nessa interface!”; “- Tem UX demais aí!”?
Se sim para qualquer uma das opções acima, por favor, compareça nesta talk.
Vamos tentar esclarecer alguns conceitos para que você NÃO mais:
– Queira contratar ou seja chamado de “design”;
– Peça um “tapa no designer” (coitado do designer);
– Peça mais “design think”.

Princípios da psicologia e o desenvolvimento de software slides-AT
TREND TALK Natalia Arsand (ThoughtWorks) 18 minutos

Pensamentos inconscientes influenciam o modo como as pessoas se comportam e interagem com o ambiente em que estão inseridas, e nós não temos nenhum controle sobre isso. Porém, com um pouco de instrução podemos prever e explicar como se formam esses pensamentos e usar esse conhecimento ao nosso favor no desenvolvimento de software. Essa palestra visa explicar brevemente quais são as capacidades e limitações da mente humana e por que algumas interfaces funcionam melhor do que outras, para assim ajudá-lo a projetar experiências mais ricas e eficientes para os seus usuários.

Feedback em vez de avaliação de desempenho
TREND TALK Matheus Haddad (Webgoal) 18 minutos

Empresas são sistemas complexos que criam valor para os seus clientes. Desta perspectiva, a capacidade de gerar valor está dividida, de maneira não uniforme, entre todos os agentes que formam esse sistema. O desempenho é sistêmico e nenhum de nós, individualmente, é responsável pela totalidade do desempenho de uma empresa. Assim, não faz sentido determinar o desempenho de uma pessoa quando o resultado do trabalho a ser feito depende muito mais do desempenho coletivo. Adotando uma visão mais sistêmica, devemos favorecer o feedback e não avaliar o desempenho de um integrante da equipe. Deixar claro quais são os resultados negativos e positivos no trabalho pode fazer que a própria pessoa avalie seu desempenho e melhore na direção dos objetivos do negócio. O desempenho no trabalho é uma conseqüência direta das ações tomadas por uma pessoa de acordo com os feedbacks recebidos. Esse talk tem como objetivo apresentar uma abordagem coletiva de feedback para substituir a avaliação de desempenho nas empresas. A partir do Feedback Canvas, uma ferramenta desenvolvida para facilitar esse processo, podemos ter consciência de como um agente afeta um sistema complexo e determinar como podemos evoluir. Assim, a melhoria é refletida na mudança de comportamento e na capacidade coletiva das pessoas em gerar resultados diferentes.

Thinking Hack
TREND TALK Manoel Pimentel (AdaptWorks) 18 minutos

Ao longo dos anos, nossas experiências, emoções, valores e percepção sobre a vida de maneira geral, nos fazem desenvolver uma espécie de automação de pensamentos. Essa automação dos pensamentos, que apesar de ser importante para nossa vida, por muitas vezes nos fazem ter comportamentos com consequências negativas. Descontrole emocional, falta de colaboração, defensiva ou medo de tomar alguma ação são algumas consequências desses pensamentos automáticos. Nessa sessão, iremos apresentar algumas técnicas emergentes para “hackear” esse sistema cognitivo que gera esses pensamentos automáticos com consequências negativas.

Rodada de discussões 18 minutos
Rodada de discussões 18 minutos
 11:30 Almoço
13:00
Gestão de fluxo na prática
TREND TALK Samuel Crescêncio (OnCast) 18 minutos

Nesta trend talk vamos explorar técnicas simples mas muito efetivas para mapear o fluxo de valor e implantar um sistema de produção puxado, que pode ser usado em qualquer área da empresa. Do marketing ao desenvolvimento, conheça casos reais de sucesso onde essas técnicas aumentaram 6 vezes a produtividade de equipes. Nada de blablabla, vamos ver coisas reais e práticas que você poderá começar a usar imediatamente para ser mais produtivo e efetivo no seu trabalho.

ScrumMaster 3.0
TREND TALK Carlos Felippe Cardoso (Knowledge21) 18 minutos

O conhecimento e a atuação do ScrumMaster também tem que evoluir. ScrumMaster 3.0 é aquele que carrega a bandeira da agilidade e traz as novidades para a empresa. Ele atua não apenas no seu time, mas na organização como um todo.
O ScrumMaster 3.0 está atento a:
Princípios e valores
Técnicas de Facilitação e Coaching
Como motivar indivíduos
Formação de time
Escalar a agilidade
Kanban
Product Owner 3.0

Práticas do Extreme Agile
TREND TALK Dairton Bassi 18 minutos

O Extreme Agile é formado por um poderoso conjunto de práticas ágeis, selecionadas de diferentes metodologias, tais como Scrum, Kanban e Programação Extrema. Essas práticas juntas contribuem de forma decisiva para a condução de um projeto de forma realmente ágil.
Os participantes novatos poderão aprender sobre técnicas importantes para qualquer equipe ágil. Os participantes já praticantes poderão verificar se utilizam correta e completamente práticas essenciais a qualquer equipe.

Direto ao Ponto: Criando e Evoluindo o MVP
TREND TALK Paulo Caroli (ThoughtWorks) 18 minutos

Um projeto ágil bem executado coloca ênfase em entregas de valor, de acordo com objetivos de negócios e as necessidades dos principais usuários. Promovem a liberação incremental de software – chegando ao MVP, o produto mínimo viável, ou versão mais simples de um produto que pode ser disponibilizada para o negócio. Mas como realizar o entendimento do MVP e a iniciação do projeto ágil o mais rápido possível? E como garantir que o time comece o projeto com entendimento compartilhado, direção, prioridade e um plano bem definido? Conheça nesse tutorial a técnica “Direto ao Ponto”, para compreender e planejar as entregas incrementais dos MVPs. Essa técnica organiza as ideias e funcionalidades em um modelo que ajuda a compreender o objetivo principal do produto, considerando as jornadas dos usuários e os incrementos de entrega. Com atividades eficazes e rápidas, a técnica desafia as considerações tradicionais de projeto, como análise de requisitos, estimativas, escopo, capacidade e planejamento detalhado. Você será guiado a partir de uma visão do produto criação de um plano enxuto para entregas incrementais do MVP. Um produto real será selecionado e técnicas serão apresentadas e praticadas. Ao final do tutorial os participantes terão aprendido teoria e atividades práticas sobre: visão de produto, personas, features, priorização, jornadas de usuário, mapeamento de valores, entendimento e esforço, extrapolação de estimativa, cálculo de capacidade, e compreensão e sequenciamento de MVP.

Rodada de discussões 18 minutos
Rodada de discussões 18 minutos
14:00
Técnicas para Análise de Negócio
TRENDS in ACTION Simone Pittner (Socialbase) 50 minutos

Buscamos sempre desenvolver software que agrega valor, com alta qualidade, no menor tempo e custo possíveis. Entretanto, a principal dificuldade está em escolher qual software fazer (requisitos) para resolver quais problemas de uma empresa (priorização) e envolver todos os membros de uma equipe ágil nessas decisões (colaboração). A Análise de Negócios é uma área do conhecimento que atua nesse cenário, reduzindo os riscos e aumentando as chances de sucesso de um projeto de software. Quais são as técnicas, práticas e ferramentas de análise de negócios que podem ser aplicadas por uma equipe ágil para melhorar os resultados de um projeto de software? Venha compartilhar suas experiências sobre análise de negócios em projetos de software com os participantes desse fishbowl.

Técnicas para Planejamento e Estimativas
TRENDS in ACTION Celso Martins (Taller) 50 minutos

Em quanto tempo o projeto ficará pronto? Como faço para estimar? Quais técnicas utilizo para planejar? Como reduzo as incertezas do projeto? Até que nível de detalhes preciso especificar?
Essas são questões frequentes em equipes de software, pois uma das grandes dificuldades de desenvolvedores, analistas e gestores é o equilíbrio dos esforços em planejamento com a real previsibilidade e redução de riscos que esses esforços proporcionam. Porém, esse tema infelizmente é complexo e não possui uma resposta única e fechada. O tamanho da equipe, a experiência dos participantes e as características do projeto são algumas variáveis que tornam cada projeto único. Portanto, conhecer técnicas e experiências diversas é uma maneira importante de melhorar a fase de planejamento. Neste fishbowl teremos a oportunidade de compartilhar experiências reais e identificar boas e más práticas para estimativas e planejamento.

15:00 Coffee-break & networking
15:30
Agile Testing Coaching – A cultura da qualidade no core business da sua empresa
TREND TALK Walmyr Filho (Taller) 18 minutos

Breve passagem sobre o mindset do Agile Testing com exemplos práticos do que venho fazendo para disseminar e colocar em prática tal minset, tais como talks para disseminação da cultura, pair testing, test review, dojos de testes automatizados, construção de um framework de testes, dentre outros.

Mentoring people, improving process – The Agile Group business
TREND TALK Danilo Garcia (Bravi Software) 18 minutos

Nesta palestra falaremos sobre como os grupos de competência ajudam no desenvolvimento profissional das pessoas, o impacto positivo na empresa e as​ ​transformações que eles possibilitaram no nosso dia-a-dia.

Pessoas não são escaláveis
TREND TALK Anderson Borges (ContaAzul) e Scheila Giongo (ContaAzul) 18 minutos

Nesta sessão vamos compartilhar como crescemos o time de engenharia de 08 para 80 pessoas em pouco mais de 02 anos.
Vamos provocar uma reflexão de como o modelo de gestão idealizado no século passado continua a influenciar a forma que construímos empresas hoje e como a agilidade nos permitiu fazer diferente.

Pare de estimar e comece a medir
TREND TALK Marcelo Luís Walter (Objective) 18 minutos

Discussões sobre #noEstimate estão cada vez mais comuns na comunidade ágil ou não. Mesmo assim, poucos resultados práticos tem sido aplicado. De um lado, os defensores do #noEstimate alegam, acertadamente, que uma estimativa não é inócua: ela consome recursos e interfere negativamente no processo. De outro lado, os que defendem a estimativa, alegam que um mundo de confiança irrestrita entre clientes e fornecedores é utopia e, no final das contas, são as estimativas de prazo e esforço que geram o contrato entre as partes.
O que vamos ver nesta sessão é uma experiência real de como sintonizar estes dois mundos. Como garantir previsibilidade sem apelar para a tentativa de adivinhar o futuro. Como usar ciência, matemática e software para obter um resultado eficaz, seguro e que gera compromisso e confiança.

Para se preparar para esta sessão, um bom desafio é você tentar responder as seguintes questões:

1) Você acredita que estimativas funcionam?

2) Seu cliente precisa de estimativas? Seu time precisa?

3) Esforço e prazo são sinônimos ou sincronizados?

4) Um método único de prever é capaz de validar tarefas completamente distintas?

Depois de responder cada uma destas perguntas, imagine se eu simplesmente perguntar: Você tem certeza disso?

Independente da sua resposta, vou terminar com mais uma pergunta: Você mediu isso?

Rodada de discussões 18 minutos
Rodada de discussões 18 minutos
16:30
Lean UX: Como fazer na prática o UX design mais ágil
TREND TALK Júlia Ghisi (Catarinas Design) e Priscilla Albuquerque (Catarinas Design) 18 minutos

O UX design muitas vezes é visto como algo que pode atrasar projetos, criar gargalos e custar muito “caro” para empresas ágeis. Nesse cenário surge o conceito do “Lean UX” que vem com o propósito de agregar valor aos resultados dos projetos ao mesmo tempo cortando disperdícios a partir da otimização dos processo, equipes e entregáveis. Nessa metodologia os resultados dos produtos entregues ao mercado passam a ser muito mais eficientes dentro dos problemas que se propoem a resolver, melhor atendendo as necessidades de negócio dos clientes e as expectativas e dores dos usuários.
Nessa sessão vamos mostrar que o “UX design” é hoje um dos fatores determinantes do sucesso e que as empresas podem sim ser “lean” mesmo realizando pesquisas e testes com seus usuários.

Estruturando um time de design: do unicórnio ao especialista
TREND TALK Simone Beltrame (Resultados Digitais) e Lívia Amorim (Resultados Digitais) 18 minutos

Em uma startup em crescimento, é comum ver um único designer com diferentes papéis: ele faz desde pesquisas com o usuário até o front-end de uma funcionalidade. Por um lado, isso garante rapidez nas entregas de uma sprint; por outro, pode render inconsistências visuais e técnicas quando o time começa a crescer.
Na Resultados Digitais, fomos de um para cinco designers no time de produto. Definimos funções e processos sem perder a agilidade do nosso time. Aprendemos a ter foco na usabilidade do nosso software, a manter padrões na UI e pesquisar soluções, afim de garantir um produto que os usuários se sintam mais produtivos em suas atividades.
Nesta sessão, apresentaremos casos de fracasso e sucesso: onde erramos e onde acertamos até chegar em um modelo adequado para a nossa realidade.

Desafios na adoção da cultura ágil
TREND TALK Anderson Soffa (Softplan) 18 minutos

De uma forma realista a adoção do modelo ágil em grandes empresas de tecnologia traduz-se em uma enorme empreitada na ruptura de paradigmas técnicos e principalmente humano/organizacionais. Quais foram os nossos desafios e soluções e quais são os obstáculos que ainda persistem no caminho de uma empresa que busca escalar e verticalizar esse modelo de desenvolvimento visando a eficiência e motivação de seus colaboradores.

A startup de 1500 funcionários
TREND TALK Luis Fígaro (Walmart) e Giani Segatto (Walmart) 18 minutos

As dificuldades da adoção do ágil em um ambiente nada convencional. O Walmart.com passou por um crescimento alucinante no quadro de funcionários em um curto período de tempo e grandes desafios como a mudança do nosso modelo de negócio e duas black fridays. Como conseguimos nesse ambiente complexo criar o nosso DNA ágil próprio: cultura, ambiente, framework, princípios e valores e manter um clima de startup. Qual o segredo?

Rodada de discussões 18 minutos
Rodada de discussões 18 minutos
17:30
One Minute Talks
KEYNOTE
O Agile Trends sabe que seus participantes possuem muitas experiências para compartilhar. Por isso criamos as sessões One Minute Talks, onde o palco e o microfone do Agile Trends estarão disponíveis para os participantes que quiserem compartilhar suas ideias, opiniões, falar sobre tendências, apresentar o seu negócio, contar um caso, compartilhar uma dificuldade, pedir ajuda em um problema… cada um terá 60 segundos para transmitir a sua mensagem como preferir.
18:00 Encerramento