Programação Agile Trends Gov 2018

(*) Agile Trends Teams e Agile Trends Management: Veja a descrição das 16 trilhas.

 
 
 

teams-m

21/08

07:30 Credenciamento e Welcome Coffee
09:00 Abertura Oficial

Tendências e Inovação no Mundo Real
Dairton Bassi (Agile Trends)

O mundo vem mudando cada vez mais rapidamente graças aos avanços do Setor Tecnológico. As pessoas vêm adaptando seus modos de vida e criando novos padrões de comportamento de acordo com a forma como a sociedade vem se moldando.
Algumas empresas desaparecerão mais cedo do que imaginamos porque seus produtos, serviços e modelos de negócio não foram concebidos para esta realidade. Eles deixarão de ser competitivos no curto prazo! Só há um caminho para as empresas que quiserem sobreviver. Elas precisam inovar desesperadamente e transformarem-se digitalmente e estruturalmente.

09:40 KEYNOTE
Transformação Digital e Inovação com o Canvas MVP

Paulo Caroli (ThoughtWorks)

O mundo está mudando cada vez mais rápido. Com o advento da internet, da mobilidade, das redes sociais e a computação nas nuvens, tudo ficou acelerado. Antigamente, o surgimento de produtos inovadores era mais lento e provavelmente não iriam derrubar grandes empresas. Agora é diferente. O futuro chega mais rápido. E, com ele, a inovação disruptiva, aquela que altera o seu negócio pela raiz. Que pode derrubar um CEO após o outro e tirar a empresa do mercado.
A mensagem é clara: só vão sobreviver os mais ágeis e inovadores. É questão de tempo, mas esse tempo é curto. Quem não se reinventar vai ficar de fora. Nesse keynote vamos conversar sobre as influencias do Vale do Silício e compartilhar uma ferramenta ágil para auxiliar com transformação digital e inovação. Vamos explorar o conceito de Lean Startup, conversar sobre exemplos de MVP (Minimum Viable Product), criar um canvas MVP.

Minibio: Paulo é autor do best-seller Lean Inception: how to align people and build the right product, que compartilha o segredo por trás do sucesso do movimento Lean Startup, do Vale do Silício. Sua contribuição mais recente, o Canvas MVP, é um quadro visual que auxilia empreendedores a alinhar e definir a estratégia do MVP–Minimum Viable Product. Consultor principal da Thoughtworks Brasil e co-fundador da AgileBrazil, Paulo Caroli possui mais de vinte anos de experiência em desenvolvimento de software, trabalhando em diversas corporações no Brasil, Índia, EUA e América Latina. Em 2000, ele descobriu o Extreme Programming e, desde então, concentrou sua experiência em processos e práticas da Agile & Lean. Ele ingressou na ThoughtWorks em 2006 e ocupou os cargos de Agile Coach, Trainer, Project e Delivery Manager. Ele recebeu um Bacharel em Informática e MS em Engenharia de Software, ambos da PUC-Rio.

Trilha
Planejamento e Gestão Ágil
de Projetos
Trilha
Cultura Ágil e Team Building
Trilha
DevOps e DevSecOps
Trilha
Workshops Agile in Action

A condução de projetos ágeis passa pelos desafios relacionados a gestão do tempo, escopo, qualidade, custo, riscos, pessoas, demais envolvidos, e muitos outros aspectos. Conduzir essas questões considerando o dinamismo dessas variáveis é a forma moderna de fazer gestão. No Setor Público há restrições que tornam o cenário ainda mais desafiador. Venha saber como gestores ágeis têm atuado e como os seus projetos são conduzidos.

Cultura é o sistema de valores compartilhados por um grupo. No Setor Público, o envolvimento dos indivíduos caracteriza-se como um grande desafio para gestores e líderes. Por isso a construção de uma cultura baseada em agilidade é tão importante. Venha saber como a criação e o fortalecimento da cultura ágil é determinante para a construção de equipes comprometidas, engajadas e de alto desempenho.

O desenvolvimento e entrega de software de maneira contínua e com qualidade passam por desafios técnicos, processuais e operacionais que precisam de muita atenção. Além disso, garantir que tudo seja feito com celeridade e com melhores níveis de segura,

Vamos praticar! As trilhas de workshops permitirão que os participantes possam aprender novas técnicas, colocá-las em prática e intensificar as trocas de experiências durante sessões altamente interativas conduzidas por agilistas experientes.

10:50 Como entregar software ao governo, utilizando-se de Ordens de Serviço (PF e UST) e se mantendo Ágil!
Thiago Nascimento Oliveira
(FUNDECC / UFLA)
Prefeitura Ágil e Lean! É Possível?
Leandro Fernandes Sanches
(Prefeitura de Praia Grande)
Gestão de mudança vs DevOps: superando burocracia com automação e práticas ágeis
Vinicius Porto Lima
(Tribunal Superior do Trabalho)
Análise de Requisitos no mundo Ágil
Tito Simões
(AIS Digital)

Conheça o processo de desenvolvimento de software que utilizando-se das práticas ágeis (SCRUM, KANBAN e SCRUMBAN), entrega valor aos clientes governamentais (estaduais e federal) através da aplicação de Ordens de Serviço com Pontos de Função e Unidades de Serviço Técnico.

Como adotar uma abordagem Lean e colaborativa em um ambiente de natureza restritiva como um órgão público municipal? Em 2015 iniciamos em nossa área de desenvolvimento de sistemas essa incrível jornada, utilizando estratégias pouco convencionais a esse ambiente, como a criação de sala uma especial para propagação cultural, e conseguimos mudar como os “clientes internos” nos enxergavam, melhorando nosso êxito em projetos desenvolvidos, mudando mindsets e através de resultados vencemos resistências culturais. Com essa melhora estamos realizando uma expansão da cultura ágil para áreas fora de TI.

Como entregar continuamente valor para o cliente se é necessário seguir um processo de gestão de mudanças que trava as entregas? Em um ambiente de gestão clássica e essencialmente burocrático, aderir a uma estratégia DevOps em detrimento de modelos de gestão de serviços de TI como ITIL é um verdadeiro desafio. Do sofrimento à inovação, conheça a trilha que a equipe DevOps do TST tem percorrido para superar o conflito Dev vs Ops e os controles excessivos para se tornar relevante para o negócio.

Descubra como funciona a análise e gestão de requisitos nos mundo ágil. Uma dinâmica direta, mão na massa e que apresenta os principais conceitos aplicados em situações reais.

Como planejar quando não conhecemos o produto?
Fernanda Frigo
(IBM)
ShipIt Day – integração e inovação
Vitor Machado Ferreira
(Tribunal de Contas da União)
Do Caos ao DevOps: uma implantação bem sucedida sob a perspectiva da área de infraestrutura
Carlos Gustavo Cordeiro de Andrade
(Itamaraty)

Em um cenario de constante mudanca da tecnologia e a necessidade do desenvolvimento de novos skills tecnicos como planejar, gerir novos projetos e garantir o desempenho do time usando a nossa jornada na IBM como exemplo onde no desenvolvimento de projetos de inteligência artificial + implementação do agile nos levou a pensar novas maneiras de gestão e constante inovação.

24 horas para inovar!
ShipIt Day foi uma proposta criada pela Atlassian onde os times:
1. Trabalham em qualquer coisa que quiserem;
2. Montam sua própria equipe;
3. E tem 24 horas para entregar algo.
Qualquer coisa pode ser um ShipIt. Técnico ou não técnico, simples ou impossível! Porque fazer o ShipIt day? O que eu ganho com isso? Quais são os benefícios primários e secundários dessa dinâmica? Nessa palestra vou contar como foi a experiência lá no TCU, desde a apresentação das ideias até o resultado final. Venha conferir!

Uma história de sucesso na disseminação de uma cultura DevOps na área de infraestrutura no Ministério das Relações Exteriores. O foco da palestra é mostrar o caminho percorrido, os desafios, os passos e os percalços enfrentados. Demonstrar como foi possível mudar de uma infraestrutura tradicional e amarrada em contratos públicos para uma infra ágil e capaz de suportar a velocidade crescente dos times de desenvolvimento de sistemas. Ao final será apresentada a estrutura de integração contínua em operação no Ministério e uma breve explanação sobre as ferramentas utilizadas

12:00 Almoço livre
13:30 Rumo à Gestão de Produtos: os desafios da gestão ágil em projetos de desenvolvimento de software
Eriko Moreira
(Banco do Nordeste)
Injetando o ágil para extrair o óleo!
Leandro Barros de Castro Freitas
(Petrobras)
Integrando segurança e DevOps com agilidade
Milton Dias de Freitas Junior
(Itaú Social)
Método Kanban: verdades e mitos sobre a mesa!
Reinaldo Yoshio Simizu e João Grabosque
(Matera)

Quem nunca passou por projetos com problemas de escopo “infinito”, atraso nas entregas, percepção de baixo valor agregado, pouco envolvimento dos parceiros?
Nesta palestra, iremos mostrar como alteramos nossos processos, reorganizamos nossas equipes e “hackeamos” nosso contrato para viabilizar entrega continua ao negócio em projetos de desenvolvimento de software utilizando métodos ágeis.
Por fim, iremos apresentar nosso roadmap para sair da perspectiva de Gestão de Projetos rumo à Gestão de Produtos.

Você conhecerá o que fizemos, desde 2014, para superar conflitos culturais, disseminar os princípios de Scrum e de Kanban, além de escalar esses métodos em diversas áreas da Petrobras, não se limitando à área de Tecnologia da Informação e Telecomunicações (TIC). Traremos alguns resultados desse movimento que continua em expansão na empresa.

Você provavelmente sabe que um dos objetivos da filosofia DevOps é derrubar as barreiras entre Desenvolvimento e Operações. DevSecOps é a próxima evolução, onde Desenvolvimento, Operações e Segurança funcionam juntos desde o primeiro dia. Levaremos cases de como aplicamos estes conceitos em projetos de TI da Fundação Itaú Social.

Entenda na prática como obter previsibilidade de flow com Kanban! O objetivo é oferecer uma experiência real, abordando práticas como visualização do fluxo, limitar trabalho em progresso, métricas (CFD, LeadTime, Troughtput), classes de serviço, identificação de gargalos, políticas explícitas e Kaizen!

Saindo da terra do nunca com a gestão ágil de produtos
Rafael de Barros Leite
(Digix)
A transformação de um time através de Management 3.0
Pascoal Vernieri
(Plathanus)
Pavimentando o caminho para nuvem
Leandro Alvares e Monaliza Muniz
(Caixa Econômica Federal)

Você se lembra do significado da terra do nunca no Peter Pan? A terra do nunca é uma metáfora utilizada para o comportamento eternamente infantil, ou seja, não atingem a sua maturidade. Uma analogia pode ser feita ao gerenciamento dos produtos desenvolvidos em modelo cascata, onde os processos são extremamente complexos, inchados e demorados, e os produtos demoram, a entrar em produção. Vamos abordar como são tratadas as entregas em processos ágeis e como agregamos valor de forma rápida para nossos clientes, além de expor as dificuldades encontradas em realizar a transição entre os modelos.

Nesta palestra apresentarei como o Management 3.0 me ajudou a reconstruir um time de 40 pessoas totalmente desacreditadas a se tornarem um time multidisciplinar de alta performance. Durante a palestra mostrarei o passo a passo de cada fase desta transformação sobre a ótica de cada visão do M3.0. A primeira técnica utilizada foi identificar os problemas através de DT para termos um diagnóstico rápido e poder desenhar as principais ações onde fosse sobre a ótica dos colaboradores da área a fim de tornar eles parte da transformação.

Nessa palestra mostraremos como a CAIXA está conseguindo renovar seu ambiente tecnológico com ferramentas e processos inovadores que permitem automatizar fim a fim os processos de implantação de sistemas ganhando agilidade, segurança e padronização. Tudo isso utilizando ferramentas Open Source inovadoras, simples e eficientes, levando a uma redução de esforço de trabalho em pelo menos 80%.

14:50 One Minute Talk
O Agile Trends sabe que seus participantes possuem muitas experiências para compartilhar. Por isso criamos as sessões One Minute Talks, onde o palco e o microfone do Agile Trends estarão disponíveis para os participantes que quiserem compartilhar suas ideias, opiniões, projetos, falar sobre tendências, apresentar o seu negócio, contar um caso, compartilhar uma dificuldade, pedir ajuda em um problema…
Você tem 1 minuto para transmitir a sua mensagem como preferir.
15:30 Coffee-break
16:00 Gerenciamento de escopo para projetos militares sem perder a veia ágil
Fabio Cocchi
(Atech)
A transformação de mindset de pessoas tradicionais para o mindset ágil
Aline Fonseca
(Stone Pagamentos)
Facilitando a adoção da cultura DevSecOps através do uso de contêineres e ferramentas livres
Joaquim Oliveira
(SERPRO)
Lean Coffee Trends
Rodrigo Cardoso Vieira
(Tribunal Superior do TrabalhoT)

A palestra tem como objetivo apresentar como vencer os principais desafios de gerenciamento de um projeto de desenvolvimento de software com escopo fechado através de práticas ágeis.

A palestra visa mostrar através de exemplos quebra de paradigmas e mudança de mindset para o ágil. E que isso nao afeta apenas no dia a dia na empresa que ad pessoas trabalham, mas mudança de comportamento para a vida. Atitudes, comportamentos, pensamentos e realizações, especialmente de pessoas com mais de 40 anos de idade.

A disseminação da cultura de entrega contínua trouxe um maior grau de automação dos processos de implantação e testes, permitindo entregas mais frequentes e com maior qualidade. Todavia, a preocupação com aspectos de segurança ainda tem ficado em segundo plano. Verificações de vulnerabilidade da aplicação muitas vezes são feitas de forma manual e com tempo reduzido. Nesta palestra mostraremos como o uso de contêineres e de ferramentas de verificação de segurança livres facilita este tipo de verificação. Isto faz a preocupação com a segurança permear todo o ciclo de vida do projeto.

Um Lean Coffee é uma reunião estruturada, mas sem agenda pré-definida. Os participantes escolhem os assuntos, priorizam e discutem dentro de um time box. Geralmente, as conversas são produtivas e focadas porque os assuntos foram selecionados democraticamente. Os participantes do workshop irão aprender como funciona um Lean Coffee e, com isso, estarão aptos à coordenar Lean Coffees nas suas cidades ou organizações. É claro que também poderão discutir seus assuntos favoritos e suas principais dúvidas com os demais participantes durante o tempo do workshop. O Lean Coffee foi criado em Seattle em 2009. Hoje já existem em diversas cidades do mundo. No Brasil, temos Lean Coffees em São Paulo, Campinas e Brasília e já rodamos um dentro do TST.

Gestão de Riscos por Iteração Ágil
Rogério Santos Lima Junior
(Instituto de Pesquisas Eldorado)
Maturidade ágil no governo: é possível?
Rafaela Mantovani Fontana
(Universidade Federal do Paraná)
Como integrar o mundo Mainframe em um DevOps Corporativo
Carlos Gomes
(Compuware)

A gestão de riscos em gerenciamento de projetos é de grande relevância para a manutenção de seus objetivos. O PMI, através do PMBoK, descreve detalhadamente todos os processos para uma boa gestão de risco. Mas e quando falamos de modelos ágeis, como o SCRUM, onde os produtos dos projetos são desenvolvidos por ciclos? Quando, onde, e principalmente como devemos fazer a gestão de risco? Essa palestra apresenta um modelo de gestão de riscos por iteração simples e prático, capaz de identificar riscos e oportunidades durante todos os ciclos, sem prejudicar a agilidade de sua execução.

Em desenvolvimento ágil de software, maturidade é muito mais do que processos definidos e disciplinados. Para que processos ágeis sejam adotados e evoluam, a conduta da equipe é um elemento fundamental e torna-se um desafio no contexto de serviços públicos. Nesta conversa vamos compartilhar o que vimos sobre a evolução de várias equipes no desenvolvimento ágil de software rumo à maturidade e como isso pode se tornar realidade em equipes de desenvolvimento de software no governo.

Estudos recentes mostram que as organizações continuam a depender muito de aplicativos Mainframe para administrar seus negócios, ao passo que cada vez mais o mercado requer soluções inovadoras e entregues mais rapidamente. Empresas com dados e aplicações críticas precisam integrar seus ambientes legados às práticas ágeis e criar um DevOps corporativo de modo à ter ganhos do ponto de vista de qualidade, eficiência e velocidade.

17:10

Happy Hour

Após a última apresentação, estendemos a programação com um grande happy hour para todos os participantes, palestrantes e patrocinadores. Uma ótima oportunidade de networking e troca de experiências!

22/08

Trilha
Práticas Ágeis e Ferramentas para Entregas
Trilha
Cases de Scrum e Kanban no Governo
Trilha
Design Thinking & Inovação
Trilha
Workshops Agile in Action

Equipes ágeis são movidas por práticas que se renovam e evoluem constantemente de forma empírica. E algumas ferramentas fazem a diferença na produtividade ao melhorarem a comunicação, a fluidez dos processos e também automatizando operações rotineiras. São essas ferramentas e práticas do dia a dia que fazem as equipes atingirem seus objetivos, melhorar a qualidade e o volume de entregas. Venha conhecer as trincheiras da agilidade e saber o que equipes ágeis de diferentes perfis têm feito em seu dia a dia.

Vamos conhecer casos reais? O que deu certo, o que deu errado, porque deu errado, quais mudanças ajudaram a funcionar, quais resultados foram conseguidos, e tudo mais! Cases de aplicação de Scrum e Kanban no Governo são histórias reais que podem ajudar todos aqueles que utilizam essas metodologias em suas instituições.

Inovar deixou de ser luxo ou apenas uma estratégia de marketing. A inovação de produtos e serviços precisa ser seriamente tratada por todas as organizações que queiram se manter no mercado, pois a tecnologia tem habilitado o crescimento agressivo da competitividade. Design Thinking é uma das importantes abordagens para a criação de produtos e serviços centrados no usuário. Se você quer saber mais sobre Design Thinking, conhecer cases, e também outras abordagens para inovação, esta trilha é para você.

Vamos praticar! As trilhas de workshops permitirão que os participantes possam aprender novas técnicas, colocá-las em prática e intensificar as trocas de experiências durante sessões altamente interativas conduzidas por agilistas experientes.

09:00 Boas vindas e Welcome Coffee
09:30 Aplicação de metodologia ágeis nos processos de Governança de TI
Agamenon Segundo
(Banco do Brasil)
A jornada da agilidade no TSE: aprendizados e desafios transformadores de um órgão tradicional
Lucas Ferreira de Lima
(Tribunal Superior Eleitoral)
Inovação apoiada por métricas de utilização
Leandro Borges de Rezende
(Supremo Tribunal Federal)
Planejamento e Team Building com o Marshmallow Challenge
Victoria Helena Thompson
(Adaptworks)

Apresentação de caso com boas práticas e lições aprendidas no uso de metodologias ágeis nos processos de Governança de TI do Banco do Brasil.

O manifesto ágil está chegando à maturidade e a agilidade ainda é considerada por muitos gestores como algo de moda e desconfiam de sua efetividade. O Tribunal Superior Eleitoral investe em metodologias, modelos e processos para gestão de TI há mais de 10 anos, sendo reconhecido por muitas instituições como referência nesses assuntos. Porém os modelos tradicionais parecem já terem cumprido o seu papel… E agora? Agora a agilidade tem ganhado espaço, com enfoque em seus valores e princípios e com a adoção do Scrum. Essa tem sido uma jornada de muitos desafios e aprendizados.

É impossível entender as necessidades dos usuários sem realmente ir a campo para conhecê-los melhor. Em contrapartida, apenas conversar com algumas pessoas, pedir que respondam questionários ou dinâmicas de grupo muitas vezes não são o suficiente para entender a real necessidade coletiva. Conheça como o Supremo Tribunal Federal tem utilizado ferramentas remotas para conhecer melhor os seus usuários, reduzir os custos de levantamento de necessidades e descobrir as funcionalidades que mais requerem atenção em seus produtos digitais.

Aprenda na prática com este simples exercício a importância de uma série de etapas e técnicas para planejar e entregar produtos enquanto amplia a comunicação do time. Surpreenda-se com a riqueza de informações extraídas com a aplicação deste exercício em diferentes contextos, e reflita como você pode aproveitar este conhecimento na sua empresa.

Histórias de usuário no âmbito GOV
Edivan Silva de Matos
(Engesoftware Tecnologia)
A experiência do MPT no desbravamento do universo de Analytics de forma Ágil
Rodrigo Moreira Fagundes
(Ministério Público do Trabalho)
Design Comportamental – Influenciando o comportamento das pessoas
João Paulo Villa Mello
(ContaAzul)

Servem para documentar um acordo entre o cliente e a equipe de desenvolvimento junto à órgãos de controle? São escritas para facilitar a liberação e planejamento da iteração, e para servir como espaços reservados para conversas detalhadas sobre as necessidades dos usuários?
Critérios de Aceitação das User Stories para PO no ambito GOV.

Iniciar a jornada no universo de Big Data, Analytics, Data Science, Machine Learning e Inteligência Artificial pode ser assustador. Há muitos elementos envolvidos, um ecossistema enorme e a pressão pelo resultado é ainda maior pela necessidade de aprendizado e aproximação entre negócio e TI. É possível, no entanto, assumir uma abordagem ágil, com entregas frequentes e foco no valor enquanto se explora esse admirável mundo novo. A SPAI/MPT tem usado essa abordagem e atingido resultados incríveis, com grande impacto nacional e internacional no contexto de sua atuação.

Você sabe como grandes empresas startups mudam os nossos hábitos, tornando-nos cada vez mais dependentes e viciados em seus produtos e serviços? A ciência e a psicologia por trás de como nós interpretamos a informação e tomamos decisões explicam.
Discutiremos diferentes abordagens que nos fisgam e nos apaixonam. Os gânglios basais, por exemplo, são uma parte pequena e extremamente poderosa do nosso cérebro, capazes de executar ações sem que percebamos. Você lembra se trancou seu carro? A porta de casa? Como as empresas e as startups usam essas e outras técnicas para criar produtos viciantes?

10:50 Fishbowl: Como aumentar a produtividade da equipe?
Facilitadora: Márcia Gomes
(SERPRO)

O Fishbowl é um formato de discussão em grupo que promove o diálogo e a troca de experiência entre os participantes da sessão e permite que todos tenham as mesmas chances de opinar e expressar seus pontos de vista.

Fishbowl: Caminhos e atalhos para a implantação de Scrum e Kanban
Facilitador: Glauber Laender
(Stefanini)

O Fishbowl é um formato de discussão em grupo que promove o diálogo e a troca de experiência entre os participantes da sessão e permite que todos tenham as mesmas chances de opinar e expressar seus pontos de vista.

Fishbowl: Inovando no dia a dia #comofaz
Facilitador: Flavio Alves
(Novatics)

O Fishbowl é um formato de discussão em grupo que promove o diálogo e a troca de experiência entre os participantes da sessão e permite que todos tenham as mesmas chances de opinar e expressar seus pontos de vista.

11:50 Almoço Livre
13:30 Networking Challenge

Venha participar de uma sessão de networking totalmente diferente! Você terá a oportunidade de se conectar com
outros participantes e palestrantes do evento, trocar muitas experiências e aprender ainda mais sobre agilidade.

14:30 Usando Maratona de Testes para criar times sustentados numa cultura de qualidade
Rodrigo Cursino
(CESAR)
Imersão no Vale do Silício
José Urbano Duarte Junior
(Banco do Brasil)
Como podemos utilizar o Design Thinking para a construção participativa de políticas públicas? Ou melhor: como nós utilizamos
Rodrigo Mota Narcizo
(Agência Nacional de Aviação Civil)
Feedback em vez de avaliação de desempenho: Como realizar uma sessão com o Feedback Canvas
Matheus Haddad e Patrícia Furtado
(Webgoal)

O desafio: evangelizar 2000 desenvolvedores de um grande banco do Brasil sobre a importância de construir e manter times sustentados numa cultura de qualidade e testes. Esta talk tem o objetivo principal de mostrar como utilizamos Maratona de Testes como ferramenta de apoio para alcançar este objetivo. Além disso, será possível mostrar em detalhes como funciona o modelo de competição desenhado e executado pelo CESAR, seus benefícios, aplicações e estatísticas sobre os resultados alcançados até o momento.

Conheça mais sobre um dos projetos do Banco do Brasil acelerados no Vale do Silício. Entenda como três meses de imersão nessa cultura afetaram a realização do nosso projeto e refletiram no longo prazo dentro de uma das instituições mais tradicionais do Brasil.

Muitos relatos sobre o uso do Design Thinking estão relacionados a serviços (públicos ou privados) destinados a um público-alvo específico, mas é possível utilizar a abordagem para a construção de políticas públicas sobre assuntos complexos. A apresentação será sobre a experiência do Programa para o Desenvolvimento de Pilotos para a Aviação Civil Brasileira, onde o Design Thinking foi utilizado para a construção participativa de uma nova política de fomento à formação de pilotos para a aviação civil com o envolvimento de todos os principais stakeholders relacionados a esse desafio.

A adoção de métodos ágeis criou novos desafios para equipes que trabalham com processos criativos em empresas que utilizam avaliação de desempenho individual para promover seus profissionais. Hoje sabemos que não faz sentido determinar o desempenho individual quando o resultado do trabalho a ser feito depende mais do desempenho coletivo. Por isso, é preciso substituir a avaliação de desempenho por sessões de feedback. Nesse workshop vamos apresentar e praticar sessões com o Feedback Canvas, ferramenta criada para facilitar o processo de feedback no contexto de uma equipe.

Métodos ágeis para um backlog de sustentação
Adilson Gomes Junior
(BRQ)
Desafios da Implantação de Célula Ágil no Setor Público Estadual
Alexandre Mendonça
(Pitang)
Utilizando Design Thinking para estruturar um Plano Diretor de TIC
Reginaldo Garcia Dupim
(Tribunal Regional do Trabalho)

Projeto para solucionar ocorrências e manter a sustentação em níveis aceitáveis utilizando Scrum e Kanban com resumo de todos os processos e resultados.
Para obter sucesso foi imperativo reestruturar nossa equipe, sabíamos que para executar este trabalho não podíamos continuar utilizando os mesmos métodos que estavam sendo ineficazes. Identificamos a necessidade e principalmente a vontade do cliente de realizar uma grande mudança. Aproveitamos que a BRQ estava passando por uma transformação ágil e decidimos ingressar neste mundo e trazer para nosso cliente um novo modelo de trabalho.

Desafios na implantação de célula ágil para atender o setor público estadual de PE. Saindo de um formato onde a célula de atendimento ficava externa ao cliente público, e chegando a um formato de célula ágil dentro do cliente adotando várias práticas do contexto ágil como SCRUM, MVP, TDD e BDD, com uma participação contínua do Product Owner no projeto. O foco da palestra é apresentar todas as dificuldades na implantação dessa célula ágil com os seus sucessos e fracassos tanto do ponto de vista do fornecedor de TI privado quanto do ponto de vista do cliente público.

Nesta palestra, relatarei como as ações do Plano Diretor de TIC (PDTIC) do Tribunal Regional do Trabalho do Ceará foram levantadas e estruturadas através de uma Oficina de Design Thinking que envolveu quase 60% do quadro de TIC e mais de 200 entrevistas com usuários dos serviços de Tecnologia do Tribunal, incluindo magistrados, servidores, advogados e partes. Com base nas etapas de Empatia, Definição, Ideação, Prototipação e Testes, com foco nas dores e necessidades dos usuários dos serviços de TIC do Tribunal, dezenas de ações foram elencadas para a composição do PDTIC.

15:40 One Minute Talk
O Agile Trends sabe que seus participantes possuem muitas experiências para compartilhar. Por isso criamos as sessões One Minute Talks, onde o palco e o microfone do Agile Trends estarão disponíveis para os participantes que quiserem compartilhar suas ideias, opiniões, projetos, falar sobre tendências, apresentar o seu negócio, contar um caso, compartilhar uma dificuldade, pedir ajuda em um problema…
Você tem 1 minuto para transmitir a sua mensagem como preferir.
16:00 Coffee-break
16:40 Cases da ANTAQ e ANVISA: Piloto ágil + Motor ágil = 1º lugar
Vinicius Uriel
(Singular)
9 Frustrações Ágeis no Governo – Como vencemos os 9 desafios para dar os primeiros passos e fechar as primeiras entregas ágeis
Gabriel Vaz
(Softway/INCRA)
Como construir um ecossistema de inovação de sucesso: o caso de Florianópolis
Marcus J. Rocha
(Prefeitura Municipal de Florianópolis)
Agile UX: Aplicando ferramentas de UX Design em cerimônias do Scrum
Glauber Laender
(Stefanini)

É preciso superar o patamar de “apenas” entregar projetos que agreguem valor, para um de entregar projetos com valor agregado de forma rápida e com qualidade. Em nosso caso não bastou um processo ágil, adicionamos uma plataforma de desenvolvimento e técnicas de levantamento sob medida para entregar em alta velocidade. Vou apresentar como combinamos esses ingredientes em projetos reais na ANTAQ e ANVISA e superamos os desafios de rodar em alta velocidade sem derrapar no escopo ou atropelar o cliente.

Se você quer começar com o pé direito e a mente preparada para as 9 frustrações que podem vir, assista esse talk.Neste estudo inédito você terá acesso a lista completa e extremamente prática com os principais saídas que usamos para “implantar” Agile no Governo.
Essa palestra é fruto de uma vivência intensa sobre as entregas ágeis num ambiente, com processos, pessoas e contratos não ágeis.Essa é uma palestra que servirá como guia para o seu dia a dia, para te ajudar a tomar decisões inteligentes, evitar erros e entender a lógica por de trás da implantação de Processos Ágeis de sucesso.

A palestra mostra os principais aspectos do ecossistema de inovação de Florianópolis, que hoje é o mais dinâmico do país. Também apresenta as ações realizadas em 2017 e 2018 pela Prefeitura e pelos principais atores desse ecossistema, tornando Florianópolis a primeira cidade do Brasil a implantar de forma efetiva uma Lei Municipal de Inovação.

Designers muitas vezes ficam deslocados ao ser incluído em um time ágil pela primeira vez. Os processos de design não são mencionados no Scrum Guide e por isso há uma dificuldade em encaixar esse papel nos times. Alguns acreditam que os frameworks ágeis não se adequam ao processo e, por isso, optam pelo Up Front Design e fazem um método “cascata disfaçado”. É possível mudar o mindset para um design incremental. Esse workshop não é apenas para designers, mas para todos os papéis de um time ágil que querem melhorar a experiência dos seus produtos.

Aplicando práticas de CI/CD para automação em ambientes com Docker e Cluster de Servidores de Aplicação
Thiago Nascimento Figueiredo
(Sicoob)
Kaizen e Engenharia de Valor suportando entregas maduras na Polícia Federal
Leonardo Camargo
(Stefanini)
Aproximando usuários, como os testes de usabilidade nos ajudaram a entender melhor nosso cliente.
Beatriz Bukvic
(Novatics)

Apresentação do case de aplicação das práticas de Integração Contínua e Entrega Contínua no ambiente de sistemas bancários do Sicoob, demonstrando como as práticas auxiliaram na automação para desenvolvimento e configuração de ambiente de aplicações para ambientes disponibilizados em ambientes com containers Docker e Clusters de Servidores de aplicação.

A jornada de transformação em execução na Polícia Federal tem demonstrado que os princípios do desenvolvimento de software Lean-Agile são mais que aplicáveis em organismos governamentais. O foco em inovação, aprendizado contínuo e co-criação com o cliente permitiu-nos sustentar um cronograma pontual de entregas de alto valor agregado.
Neste encontro vamos debater como a aplicação de Kaizen e Engenharia de Valor potencializaram a entrega de produtos para um cliente demandante de soluções de alta criticidade diretamente relacionadas com a segurança nacional.

Redesenhar o portal universitário de uma das maiores universidades particulares do Norte e Nordeste foi um grande desafio. Descubra como os testes de usabilidade foram peça essencial para entender o nosso usuário final e nos conectar com as suas reais necessidades.

18:00 Encerramento

 

management-m

23/08

07:30 Credenciamento e Welcome Coffee
09:00 Abertura Oficial

Tendências e Inovação no Mundo Real
Dairton Bassi (Agile Trends)

O mundo vem mudando cada vez mais rapidamente graças aos avanços do Setor Tecnológico. As pessoas vêm adaptando seus modos de vida e criando novos padrões de comportamento de acordo com a forma como a sociedade vem se moldando.
Algumas empresas desaparecerão mais cedo do que imaginamos porque seus produtos, serviços e modelos de negócio não foram concebidos para esta realidade. Eles deixarão de ser competitivos no curto prazo! Só há um caminho para as empresas que quiserem sobreviver. Elas precisam inovar desesperadamente e transformarem-se digitalmente e estruturalmente.

09:40 KEYNOTE
Como uma empresa bicentenária encontrou um caminho para a inovação

Kellen Serrano (Banco do Brasil)

Os hábitos de consumo mudaram e as novas gerações surgiram com novas demandas. Os grandes bancos estão preparados para atender e mudar o foco de seus serviços? Quem são os novos competidores? Como estar presente na vida dos clientes? Como lidar com a presença das fintechs?
Essas foram e são algumas das principais questões que surgiram no momento em que a transformação digital se apresentou para o BB. O caminho da construção de um banco digital está em curso, e nesse encontro compartilharemos as principais ações realizadas para a construção de soluções focadas em nossos clientes.

Minibio: Co-founder do Labbs, Laboratório Avançado do Banco do Brasil, parte da Diretoria de Negócios Digitais do BB. Profissional com mais de 20 anos de carreira, atuou em diversos segmentos como financeiro, telecom e tecnologia. Graduada em Engenharia pela UFV, com pós-graduação pela FGV em Gestão de Projetos, Mestre pela Católica DF em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação. Cooordena as atividades de intraempreendedorismo fomentando o desenvolvimento de novas soluções, potencializando a transformação digital e um novo mindset na organização.

Trilha
Agile Coaching
Trilha
Eficiência no Setor Público
Trilha
Contratação Ágil & Gestão de Entregas
Trilha
Workshops Agile in Action

A adoção de agile passa pela mudança comportamental, organização do trabalho em equipe, implantação de processos e envolvimento de áreas de negócio, entre outros desafios. O Agile Coach é um profissional experiente em agile que pode ajudar a equipe nesse processo de transformação. Venha conhecer os desafios enfrentados e as abordagens utilizadas por agile coaches para facilitar o processo de adoção de agile em suas equipes.

O Setor Público brasileiro foi construído por décadas com o mindset burocrático, gerando ineficiência, desperdício e serviços de baixa qualidade. Agora, com o apoio de novas tecnologias e uma visão moderna sobre processos, NÓS temos a oportunidade de criar a próxima geração de serviços públicos; melhores, distribuídos e mais eficientes. Venha conhecer a visão de gestores que estão conduzindo iniciativas com potencial transformador.

A contratação de software ainda traz inúmeros desafios aos gestores públicos. As abordagens ágeis têm ajudado a tornar esse processo muito mais razoável e orientado à obtenção retorno para o contratante. Venha conhecer cases e relatos sobre como contratar, como medir, como acompanhar entregas, de que formas garantir a qualidade e muitos outros pontos críticos para que o processo de contratação seja bem sucedido.

Vamos praticar! As trilhas de workshops permitirão que os participantes possam aprender novas técnicas, colocá-las em prática e intensificar as trocas de experiências durante sessões altamente interativas conduzidas por agilistas experientes.

10:50 Invista no Coaching Interno: Como o Ministério Público do Pará está ajudando suas equipes de Dev. por meio do método Lean SPI
Kleoson Bruno C. Santos
(Ministério Público do Pará)
Agile in the Jungle
Raphael Heitor Oliveira de Araújo
(Tribunal de Contas do Estado de Rondônia)
Como conciliar Agilidade, Resultados e Qualidade em um Projeto remunerado por entregas e não por Pontos de Função e nem horas trabalhadas?
Mário Lúcio Guedes Côrtes
(Globalweb Outsourcing)
Design Thinking aplicado em problemas sociais
Gabriela Cavagliero
(TOTVS)

Geralmente em Instituições Públicas contrata-se uma consultoria em Agile, adota algumas práticas ágeis, melhora um pouco a cultura, mas 3 meses depois tudo volta ao tradicional ou “desanda”. Quem já passou por isso sabe o desafio que é manter o Agile “vivo” na Instituição Pública. O Coaching Interno pode ser uma ótima estratégia para adoção/manutenção de métodos ágeis em sua Instituição. Blz, mas como fazer isso na prática? O Lean SPI é o método ágil que a Unidade de Dev. de Software do Ministério Público do Pará está utilizando para manter o Agile “vivo” junto às suas equipes de Dev.Vem ver!

Experiência Ágil no meio da floresta Amazônica utilizando conceitos de software craftsmanship para contratação de empresa de desenvolvimento? Sim, está acontecendo no Tribunal de Contas do Estado de Rondônia! Contaremos como foi trilhado nosso caminho para alcançar as transformações necessárias para que o contrato fosse com foco em entregas de qualidade.

Será apresentada a e experiência na estruturação de um ATELIÊ DE SOFTWARE com base em SCRUM e SOFTWARE CRAFTSMANSHIP e a medição por UST – Unidade de Serviço Técnico no TCE-RO – Tribunal de Contas do Estado de Rondônia, em um projeto inovador no Serviço Público do Estado.
Desafios:
Software Artesanal “X” Agilidade de produção
Dimensionamento de esforço, APF e UST – O que muda?
Mudança no Mindset das Pessoas (Gestão, Time e Cliente)
O Profissional “Full Stack Developer ++”
O que a Gestão do Projeto entrega? O que o Scrum Master entrega?

O DESIGN THINKING é uma abordagem centrada no usuário e eficaz para quem deseja inovar, não importa se é um produto, um processo ou um serviço.
É pensar nas necessidades reais das pessoas, colaborar e construir juntos a melhor experiencia para as pessoas.
A metodologia esta baseada em pesquisa, analise dos dados coletados da pequisa, geração de ideias, prototipação e validação.
No workshop apresentaremos o que é o design thinking e praticaremos todas as etapas da metodologia e como ela pode ser aplicada no seu dia a dia, através de um problema real.

Times híbridos com ágil na veia
Udy Ferreira
(Caixa Seguradora)
Pensando fora da caixa e rompendo o status quo no Governo
Thiago Jarjour
(Campus Party Brasil)
Desmistificando a métrica de UST
Herbert Parente
(Conselho Superior da Justiça do Trabalho)

Bate papo sobre times que precisam atuar em projetos ágeis e realizar as atividades de rotina (sustentação) de forma simultânea, as dificuldades disso, que ritos fazer, como engajar o time maximizando resultados e como seria a priorização e organização do backlog.

Desafios de uma gestão inteligente no setor público. Neste encontro vamos debater sobre Inovação na gestão pública, e sobre os cases de Regulamentação dos Foodtrucks e do Uber, Edital das Startups, Campus Party, Árvores digitais e Parque Tecnológico.

Que a métrica de Analise de Pontos de Função tem cada vez menos adeptos isso não é mais novidade. Entretanto, para qual métrica estão migrando? UST, Cosmic, PCU, Peex? Homem-hora voltou?
Uma das métricas mais usadas em substituição à pontos de função é UST, mas compensa? Quais seus pontos positivos e negativos? Qual seu impacto junto ao fornecedor? Quais os principais erros que estão cometendo ao adotar UST?
Esta palestra irá responder a esses questionamentos, demonstrando o porquê da substituição de APF por outras métricas como UST, por meio da compreensão semântica das novas mensurações.

12:00 Almoço livre
13:30 Coaching Group – Desenvolvendo lideranças!
Márcia Gomes
(SERPRO)
MBV – Mínima Burocracia Viável
Allan Torres
(Caixa Econômica Federal)
Descomplicando a contratação ágil de desenvolvimento de software com métrica que promove qualidade e seu uso em sustentação de software
Claudson dos Santos Melo
(Tribunal Superior do Trabalho)
Agile Leadership: técnicas leves para liderar e influenciar times ágeis
Wankes Leandro
(Brasília School of Business)

O Coaching Group é um método voltado para o desenvolvimento coletivo com ênfase em questões individuais. Os participantes compartilham de interesse comum visando melhores resultados através do Coaching, mas cada um com objetivos específicos. Diante da necessidade de um ambiente efetivo para reflexão, aprendizagem e execução de ações para o desenvolvimento das lideranças e consequente desenvolvimento de seus times, foi estruturado o Coaching Group em uma grande organização do setor público de TI. Se você quiser saber como funciona e os resultados obtidos até então, venha assistir esta palestra!

A Mínima Burocracia Viável que tal olhar para a burocracia com outros olhos e entender quando ela é boa e quando ela é ruim, se você tivesse uma ferramenta para medir isso, poderia fazer diferença para o cidadão que precisa de serviços públicos? Como podemos medir e entender se nossos processos burocráticos são eficientes ou não ?

Não raras vezes, é dito que normativos relacionados às contratações de serviços de desenvolvimento de software são complexos e que há diversos entraves para viabilizar tais contratações. Por outro lado, outros afirmam ser necessária a geração de diversos artefatos a fim de evidenciar as atividades da empresa contratada, mesmo no modelo de contratos ágeis de software.
Nesta palestra será apresentada a experiência do TST em contratações ágeis com práticas para endereçar estes desafios, inclusive, com uso de métrica que promove a qualidade e que viabilizou o serviço de sustentação.

Agile Leadership tem o sabor da liderança natural, pois o mindset ágil prega a autonomia. A liderança e a influência do time ágil deve ser leve e conquistada, independente do papel – Scrum Master, PO, Sprint Master, Agile Coach etc. Alguns falam de Líder Servidor, outros de Powerless Leader. Mas como se tornar este tipo de pessoa? Como ser um efetivo Líder Ágil? Neste workshop, você aprenderá técnicas de Soft Skills (Programação Neurolinguística, Inteligência Emocional e Non Violent Comunication) para comunicar melhor, exercer a liderança, conquistar e influenciar o time ágil de forma leve.

Guildas e Comunidades de Práticas: Erros e aprendizados que podem te salvar!
Thiago Soares
(Easynvest)
Quando um Contrato de Sustentação e Desenvolvimento de Aplicações é Ágil?
Carlos Henrique Magalhães Oest
(Petrobras)
Garantindo entregas ágeis no Governo
David de Souza Kiik
(Prodesp)

Comunidade de Prática não é algo novo, mas recentemente tem recebido atenção especial por parte das organizações, muitas delas inspiradas pelo modelo Spotify de engenharia. Contudo, Guildas ou Comunidades de Práticas podem ser ainda mais complexas de se estruturar do que squads ou chapters.
Se você já iniciou uma ou mais comunidades de práticas na empresa onde trabalha, então já deve ter percebido do que estamos falando.
A ideia aqui é compartilhar o que aprendemos nas nossas tentativas bem ou mal sucedidas de estruturar uma ou mais comunidades de práticas nas empresas por onde passamos.

Vários órgãos e empresas públicas se esforçam para desenvolver uma especificação de serviço, que possa terceirizar os serviços de sustentação e desenvolvimento de software usando métodos ágeis. Passei a me perguntar se isso é possível e em que medida a especificação de serviço é responsável por por termos um “contrato ágil”. Quais são as características de um contrato ágil em uma empresa publica e quais os limites que são impostos pelo contexto deste tipo de empresa, são os focos desta palestra.

Demonstrando através de um case, como contratar e controlar um fornecedor para garantir que as entregas serão feitas de forma ágil e eficiente. Neste case comparo o modelo tradicional com uma nova ideia, apoiada em três pilares, gestão de entregas, qualidade e financeira. Uma forma cada vez mais comum ao se contratar mão de obra para projetos é a terceirização. Mas como garantir o controle e a qualidade das mesmas se a gestão da equipe não esta inteiramente no próprio órgão? As empresas de terceirização oferecem poucos benefícios para seus recursos, gerando alto turnover e baixa motivação, que são fatores importantes para reduzir a qualidade dos entregáveis Neste case, uma sugestão de gerenciamento por entregas com a visão ágil demonstra não somente como contratar mas como controlar a governança do projeto visando a satisfação do cliente.

14:50 One Minute Talk
O Agile Trends sabe que seus participantes possuem muitas experiências para compartilhar. Por isso criamos as sessões One Minute Talks, onde o palco e o microfone do Agile Trends estarão disponíveis para os participantes que quiserem compartilhar suas ideias, opiniões, projetos, falar sobre tendências, apresentar o seu negócio, contar um caso, compartilhar uma dificuldade, pedir ajuda em um problema…
Você tem 1 minuto para transmitir a sua mensagem como preferir.
15:30 Coffee-break
16:00 Transformação Ágil – A missão e os desafios do Agile Coach numa Instituição Publica e Centenária
Patrícia Amaral
(Caixa Econômica Federal)
Gerenciamento ágil de auditoria para detecção de fraudes e de irregularidades por meio de análise de dados
Ricardo Akl
(Tribunal de Contas da União)
Métodos Ágeis com Pontos de Função, Funciona!
Felipe Barbalho
(Pitang)
DevOps Toolchain: Técnicas para seleção do DevOps Toolchain no Governo
Fabio Reginaldo
(Quode Project)

Realizar a transformação ágil numa instituição com mais de 150 anos, pública e com uma cultura baseada em modelos tradicionais de construção de software, é um processo complexo e desafiador.
Nesta palestra será mostrado o quanto o trabalho do Agile Coach contribui para a transformação ágil e exige abordagens especiais para lhe dar com problemas e arquiteturas complexas, conexão entre equipes ágeis e as que trabalham com modelos tradicionais, engajamento e colaboração de pessoas fora das equipes, dependência entre soluções e restrições típicas de uma organização pública. Serão apresentados os desafios, soluções encontradas e os resultados alcançados.

A exploração de análise de dados para a detecção de irregularidades pode produzir resultados significativos para ações de controle. Entretanto, tais resultados são imprevisíveis, pois o conhecimento perante os dados é amadurecido durante a execução do trabalho. A utilização de métodos ágeis pode facilitar o gerenciamento desse tipo de iniciativa. A palestra tem o objetivo de apresentar modelo de trabalho, que explorou métodos ágeis (Project Model Canvas, SCRUM e Lean), adotado para a condução de uma fiscalização baseada em análise de dados, realizada pelo TCU.

Vamos compartilhar casos reais de medição em pontos de função de projetos que utilizam abordagens ágeis; quais os resultados para os nossos clientes; refactoring ou mudança de escopo; o que mudou na forma das equipes de projeto e de métricas trabalhar; quais os insumos utilizados para medição; principais desafios enfrentados e lições aprendidas.

Muitas vezes o conjunto de ferramentas são tratadas como “”a solução”” DevOps, e este é um problema para adoção das práticas. Mas quando o mindset, a empatia entre times, novas formas de colaboração e o buyin da diretoria existem, não podemos montar uma estratégia de ToolChain equivocada. Nesta palestra, apresentaremos alternativas para selecionar as ferramentas que apoiam as práticas DevOps

Pequenos grandes atos de liderança transformadores em Agile
Michelle Moraes Teodoro
(IBM)
ECultura de Inovação – Hackeando o serviço público de dentro para fora – Como transformar grandes organizações conectando pessoas engajadas com o propósito de inovar no setor público
Sephora Lillian
(iGOVnights / ETO/Banco do Brasil)
Contrato Ágil – A aposta das Loterias Caixa
Gerson Roberto Cassel
(Caixa Econômica Federal)

Quando falamos da implementação ágil dentro de uma empresa vários desafios surgem nessa abordagem evolucionária. Na maioria dos eventos sempre se fala nessa transformação, mas normalmente em uma equipe pequena-média. A pergunta que não quer calar: como acontece a transformação em uma empresa multinacional gigantesca com mais de 100 anos de existência? Devemos começar trabalhando com o cenário atual, mas e ai? Nessa palestra vamos navegar nos desafios que enfrentamos ao transformar um departamento global de aproximadamente 600 pessoas. Além disso, como está sendo a implementação da agilidade em um cenário mais amplo. Também irei abordar minha experiência pessoal e compartilhar casos reais como pequenos atos de liderança, de pessoas comuns, podem fazer uma grande diferença nas prática ágeis.

Se Inovar é essencial, então como podemos incentivar a cultura de inovação para melhorar produtos e serviços dentro do setor público? Uma das definições de hackers diz que são pessoas que se dedicam muito a conhecer qualquer sistema profundamente a ponto de reinventá-lo e dentro desse contexto, uma das formas de incentivar a inovação é identificar, conectar e despertar essas mentes brilhantes para analisar os serviços, utilizando técnicas que gerem boas soluções, transformando toda a organização e mudando o mindset para ação. E todos podem ser hackers de inovação é só despertar e se conectar.

A ideia de ter um “Squad de negócio” respondendo à mudanças e entregando valor na prioridade do negócio é muito atrativa. Implementar esta ideia não é tão simples para uma empresa com cultura, tecnologias e sistemas legados, principalmente se estivermos falando de uma empresa pública. Esta palestra vai apresentar um pouco da experiência das Loterias Caixa na implementação de um modelo de contratação de mão de obra terceirizada para composição dos times ágeis.

17:10

Happy Hour

Após a última apresentação, estendemos a programação com um grande happy hour para todos os participantes, palestrantes e patrocinadores. Uma ótima oportunidade de networking e troca de experiências!

24/08

Trilha
Ágil em Escala
Trilha
Agilidade Além da TI
Trilha
Transformação Digital e Organizacional
Trilha
Workshops Agile in Action

O atual desafio de grandes instituições é levar agilidade a grandes operações garantindo que inúmeras equipes sigam uma mesma abordagem e obtenham os benefícios do uso de agilidade que pequenos grupos obtêm com facilidade. Venha descobrir os desafios enfrentados por essas instituições na implantação de agilidade em larga escala.

Agilidade não é mais um abordagem exclusivamente da área de tecnologia. Outras áreas da empresa têm usado os valores e práticas ágeis para gerar uma vantagem competitiva em seus modelos de gestão e operação. Venha saber onde e como agilidade vem sendo utilizada em diferentes áreas de negócio.

Transformação Digital vai muito além de transformar um website em um app para celulares. A Transformação Organizacional implica na mudança cultural, hierárquica e de comportamentos na organização. Será que a sua instituição está preparada? Venha conhecer os principais desafios e as lições aprendidas por aqueles que estão adotando novos modelos de gestão, colaboração e formas de trabalho.

Vamos praticar! As trilhas de workshops permitirão que os participantes possam aprender novas técnicas, colocá-las em prática e intensificar as trocas de experiências durante sessões altamente interativas conduzidas por agilistas experientes.

09:00 Boas vindas e Welcome coffee
09:30 Escalando o Scrum no MPDG com o framework PES
Vinicius de Faria Silva
(Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão)
Eu não acredito só em metodologias, acredito em pessoas
Diego Ciarrocchi
(Itaú Social)
Work in Progress: o Atual Estado de uma Transformação Ágil
Rodrigo Lerias Caitano
(Sicredi)
Lean Thinking – O poder do Value Stream Mapping (VSM) no mundo Agile
Erasto Meneses
(Softplan)

Neste palestra vamos explicar como escalamos o Scrum para grandes Programas e Projetos no MPDG, por meio do Framework Ágil PES, apresentando os Frameworks de Ágil em Escala que influenciaram a evolução do PES e os resultados, obstáculos e lições aprendidas conhecidos em sua aplicação em grandes Programas e Projetos.

Temos atualmente diversas metodologias ágeis inovadoras, mas se não tivermos as pessoas certas, fazendo as coisas certas não teremos um bom resultado. O foco sempre foi e sempre deve ser as pessoas, em como desenvolver as habilidades soft skills e como elas fazem a diferença no sucesso ou fracasso de um projeto. Trago como aplicamos ágil em uma Fundação Social com projetos de parcerias públicas e terceiro setor. E quais os resultados tivemos com a cultura ágil sem que tivéssemos que mudar a estrutura organizacional. Se tornar ágil de forma natural e sem que as pessoas percebam a mudança.

Em meados de 2014 uma instituição financeira centenária começou um movimento transformador relacionado ao mindset ágil. Hoje, três anos e meio depois, queremos compartilhar com a comunidade nossa realidade, apresentando com bastante transparência erros e acertos, que nos levaram a reflexões e aprendizados.

Sendo um dos 5 Princípios do Lean Thinking, o VSM é um mecanismo essencial para reconhecer gargalos e desperdícios e tem sido um dos mais utilizados no universo de aplicações do Lean Thinking em empresas industriais, tecnológicas e de serviços.

Ágil transformando o banco: quem disse que seria fácil? Entregas assertivas e melhoria contínua
Daniel Souza Santos
(Banese – Banco do Estado de Sergipe)
Gestão Ágil e formação de times no TRT do Ceará: Um case além da TI
Jonathan Maia
(Tribunal Regional do Trabalho do Ceará)
Automação de Testes: Até quando os Robôs precisarão de Gente?
George Luiz Garrido
(Santander)

Demora nas entregas, waterfall sprints, pouca previsibilidade e transparência, priorização caótica(ou a falta dela) e muito WIP. Após anos tentando adotar agilidade tivemos que pedir ajuda, pois, Transformação Ágil não se faz sozinho. Conquistando o apoio da alta gestão e das áreas de negócio, começamos a nossa jornada para destravar o motor de entrega, coordenar o trabalho dos times, focar no trabalho correto e criar cadência organizacional. Para isso, testamos scrum, kanban e até um “SAFe-like”. O que funcionou e não funcionou é o que iremos descobrir nesta apresentação.

Mundo afora, a Gestão Ágil cresce a passos largos, especialmente na área de Tecnologia da Informação (TI). Mas e além do mundo da TI ? É possível adotá-la com resultados positivos? Nesta palestra, compartilharei algumas iniciativas conduzidas no Tribunal do Trabalho do Ceará utilizando a Gestão Ágil em unidades administrativas e judiciárias, fora do mundo da TI. Com a aplicação de conceitos e ferramentas da Gestão Ágil e do pensamento Lean (precursor da Gestão Ágil), diversas unidades têm relatado benefícios e impactos positivos em seus resultados, ambientes e processos de trabalho.

Na palestra abordo a origem da robotização no mundo, falo sobre os avanços da atualidade, com um vídeo da Shopia, falo dos processos de robotização no Santander, ganhos, eficiências, e no final faço um desafio sobre o futuro, respondendo a pergunta: Até quando os Robôs precisarão de Gente?

10:50 Fishbowl: Por que é tão difícil? O que realmente funciona?
Facilitador: Gino Terentim
(Caixa Econômica Federal)

O Fishbowl é um formato de discussão em grupo que promove o diálogo e a troca de experiência entre os participantes da sessão e permite que todos tenham as mesmas chances de opinar e expressar seus pontos de vista.

Fishbow: Quem mais pode se beneficiar da agilidade? Como?
Facilitadora: Ana Paula Soares
(UniAgil)

O Fishbowl é um formato de discussão em grupo que promove o diálogo e a troca de experiência entre os participantes da sessão e permite que todos tenham as mesmas chances de opinar e expressar seus pontos de vista.

Fishbowl: Compartilhe! Como minha instituição está se transformando?
Facilitadora: Sephora Lillian
(iGOVnights / ETO/Banco do Brasil)

O Fishbowl é um formato de discussão em grupo que promove o diálogo e a troca de experiência entre os participantes da sessão e permite que todos tenham as mesmas chances de opinar e expressar seus pontos de vista.

11:50 Almoço Livre
13:30 Networking Challenge

Venha participar de uma sessão de networking totalmente diferente! Você terá a oportunidade de se conectar com
outros participantes e palestrantes do evento, trocar muitas experiências e aprender ainda mais sobre agilidade.

14:30 Transformação Digital – Os resultados esperados estão acontecendo?
Gino Terentim Junior
(Caixa Econômica Federal)
Proteção de Dados e Privacidade na era da Transformação Digital, da Agilidade e da Inovação
Hélio Cordeiro
(Grupo Daryus)
Os desafios para implementar Agile em uma Instituição de 200 anos
Sérgio Marcos Diogo Barbosa
(Banco do Brasil)
Introdução ao Pensamento Lean na prática
Ana Paula Soares
(UNIAGIL)

Cada vez mais a busca pela transformação digital está presente na agenda dos executivos das organizações. O processo, muitas vezes, tem nascido com grande expectativa de resultados rápidos com a replicação modelos que funcionaram em outras empresas, em outros contextos. Abordarei as expectativas das organizações ao iniciarem seu processo de Transformação Digital, as estratégias que tenho visto serem praticadas, quais delas tem trazido mais resultado, os principais riscos, a importância da gestão de mudanças ao longo do processo e uma avaliação sobre os pontos fortes e fracos das abordagens top-down e bottom-up.

O Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) e a nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) são regulamentos e leis sobre proteção de dados e privacidade para todos os indivíduos dentro da união europeia e do território brasileiro respectivamente, afetando qualquer atividade que envolva utilização de dados pessoais, incluindo o tratamento pela internet. Descubra como estas mudanças na proteção de dados e na privacidade impactam as organizações, a sociedade e as pessoas em seu dia-a-dia, em plena era da Transformação Digital, da Agilidade e da Inovação.

Em uma instituição de grande porte e com uma cultura institucional consolidada, os desafios para realizar uma ampla mudança tornam-se mais complexos, exigindo abordagens diferenciadas. Além disso, o setor financeiro é um dos mais regulados do mercado, aumentando a complexidade dos processos e soluções adotadas. Nessa palestra mostraremos os principais desafios, aprendizados e resultados da jornada de transformação da cultura organizacional e adoção de métodos ágeis no Banco do Brasil.

Nesse workshop as pessoas participantes irão transitar, de uma maneira simples e divertida pelos diversos momentos da indústria – da Ford à revolucionária Toyota – entendendo conceitos do desenvolvimento Lean de software por meio do Sistema Toyota de Produção, que tem como objetivo a redução de desperdícios, a melhora na qualidade de entrega e a diminuição do tempo e do custo de produção.

Como ser ágil com quase 2.000 pessoas e mais de 9 milhões de linhas de código?
Fábio Trierveiler
(Softplan)
Leis de Proteção de Dados: Principais Aspectos
Santiago Schunck
(SCSA Advogados)
Gestão do transporte baseada em evidências: do paradigma à aplicação
Roberto Speicys
(Scipopulis)

Transformar uma empresa não é tarefa fácil. Especialmente, se esta empresa salta de 400 para quase 2000 pessoas ao longo do processo de evolução.
Nesta palestra, compartilharemos a nossa experiência em uma transformação contínua ao longo de 10 anos, evoluindo de um processo em cascata caótico, passando pelo Scrum, escalando com SAFe e buscando a melhoria contínua através do Método Kanban e práticas Lean.

Recentemente entrou em vigor na UE o Regulamento Geral de Proteção de Dados – GDPR, com repercussões diretas no Brasil. Indiretamente ainda repercutiu na criação de uma lei de proteção de dados nacional.

Um das grandes dificuldades do poder público é conseguir tomar decisões ágeis baseadas em dados confiáveis e integrados. Esse problema é latente, por exemplo, na operação, gestão e planejamento de redes de transporte, onde as decisões tem extenso prazo de validade mas são tomadas por intuição. Essa palestra pretende compartilhar a experiência da Scipopulis e da Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de um sistema digital com respostas contextualizadas, históricas e em tempo real para auxiliar a operação diária e o planejamento de longo prazo das linhas de ônibus da cidade.

15:40 One Minute Talk
O Agile Trends sabe que seus participantes possuem muitas experiências para compartilhar. Por isso criamos as sessões One Minute Talks, onde o palco e o microfone do Agile Trends estarão disponíveis para os participantes que quiserem compartilhar suas ideias, opiniões, projetos, falar sobre tendências, apresentar o seu negócio, contar um caso, compartilhar uma dificuldade, pedir ajuda em um problema…
Você tem 1 minuto para transmitir a sua mensagem como preferir.
16:00 Coffee-break
16:40 Métodos Ágeis X Gestão de Recursos
Luana Manuella de Sales Mendes
(Ministério Extraordinário da Segurança Pública)
Agilidade a Serviço de Todos: Como o mindset ágil pode transformar uma grande empresa!
Iran Porto
(SERPRO)
Incubadora de Negócios: Propulsora da Transformação Digital
Ana Rachel Silva
(Caixa Econômica Federal)
Lean Inception Pocket
Filipe Pacheco Souza
(Lean Inception)

Aplicabilidade dos métodos ágeis no gerenciamento de recursos do projeto, com ênfase nos desafios enfrentados pela gestão para equilibrar flexibilidade e controle na organização, garantindo a qualidade do produto e mensurando os impactos e benefícios diante o emprego da metodologia.

O mundo está mudando cada vez mais aceleradamente gerando a necessidade de evoluções e adaptações às empresas. Esse cenário traz grandes desafios para o SERPRO, considerando as restrições próprias de uma empresa pública, a dinâmica de mudança na regulamentação legal, a necessidade de fazer mais com menos, a busca do equilíbrio entre transparência e a segurança, dentre outros. Dentre os aspectos a serem trabalhados na evolução organizacional estão processo, ferramentas, organização e cultura, eles devem ser trabalhados simultaneamente e de forma integrada. Porém, o aspecto cultural demonstrou ser o mais relevante para se estabelecer atitudes positivas para a mudança e obter conexão das pessoas ao propósito organizacional. Assim, para buscar os resultados pretendidos, o SERPRO priorizou as ações de fortalecimento da cultura ágil e de mudança para mindset de crescimento para construção de times comprometidos, engajados e de alto desempenho.

Em 2017 a CAIXA iniciou seu Programa de Transformação Digital, cirando a incubadora de Negócios Digitais com o objetivo de realizar experimentações que alavancassem a transformação digital e a mudança organizacional. Assim, a incubadora assumiu o papel de estimular o intraempreendedorismo na organização, incubando Jornadas que são construídas por SQUADs utilizando metodologias de Hipóteses Derivadas, Design, Lean e Agile para construir soluções que gerem valor para o cliente e para os negócios da CAIXA, mudando a forma como a CAIXA se relaciona com o Cliente.

Mini workshop apresentando algumas dinâmicas realizadas em uma Lean Inception. Nesse workshop você vai ter um insight de como reduzir o risco de investir dinheiro no produto errado para o seu cliente.

Do zero a alta performance: times globais, muitos stakeholders e muito valor entregue
Isabela Carvalho (Adaptworks) e Pamela Martinez (Exxon Mobil)
Auditoria + Ágil
Antonio André A. Rodrigues
(Banco do Brasil)
sA complexa e incrível jornada da transformação ágil na TI dos Correios. Uma história sem fim…mas com propósito!
Leonardo Lima Ferreira
(Correios)

Quando começamos a falar de ágil, o time era formado por 16 pessoas em 3 países diferentes: Brasil, Estados Unidos e Tailândia. Além disso, dessas 16 pessoas, 10 não conheciam ou conheciam muito pouco a tecnologia do produto, que já estava em produção com algumas features. A primeira sprint planejada foi apenas para gerar conhecimento entre os membros dos times, tanto técnico quanto em mindset, o tempo de entrega de um item pequeno girava em torno de 39 dias. Após 6 meses de trabalho, temos um cenário com dois times organizados, que sincronizam os backlogs e práticas, estão empoderados, com voz ativa e demoram 4 dias em média para entregar um item. Durante a palestra vamos explorar nossa jornada, os desafios e nossos próximos passos.

Adaptar-se é mais importante que seguir um plano. Uma jornada para implantar cultura ágil em equipes de auditoria interna no Banco do Brasil. Apresentaremos na palestra uma proposta sobre como os departamentos de Auditoria Interna podem elevar sua contribuição na transformação da empresa a partir da utilização de metodologias ágeis para planejar avaliações de riscos de forma mais colaborativa, com participação dos stakeholders, provendo conclusões em ciclos mais curtos e reportes mais úteis para as decisões de gestão.

Aumentar a satisfação dos clientes requer, entre outras, maior eficiência e eficácia no desenvolvimento de soluções de TI. A busca para alcançar essa excelência exige adotar métodos e práticas ágeis o que demandam uma grande transformação de mentalidade. Tudo isso envolve variados desafios numa empresa pública. Nessa apresentação faremos uma retrospectiva dos últimos 8 anos da nossa jornada. Explicaremos por que não há fim nesse caminho e a importância em se ter um propósito claro e bem definido do que se deseja alcançar. Mostraremos também algumas lições aprendidas e os nossos próximos passos.

18:00 Encerramento

 

*A programação pode ser atualizada a qualquer momento, sem prévio aviso.