Programação Agile Trends GOV 2017

Terça-feira, 15 Ago

Trilha
Gestão de Pessoas, Cultura e Equipes
Trilha
Scrum, Kanban e Metodologias
Trilha
DevOps, Gestão de Produtos e Desenvolvimento

O fator mais importante no desenvolvimento de software é a participação das pessoas. Uma cultura forte e bem disseminada na empresa sustenta as equipes e cria propósito para o engajamento e o comprometimento no longo prazo. Venha conhecer a cultura e modelos de gestão ágeis e modernos.

Esta é a trilha para aqueles que querem entender mais sobre os conceitos e as principais abordagens ágeis para planejamento, estimativas, priorização, gestão visual e diversas outras práticas ágeis, explicadas por grandes especialistas.

Instituições modernas gerem produtos, ao invés de projetos. A gestão de produtos vai muito além da entrega de um escopo planejado, pois está relacionada com resultados e todo o ciclo de vida do software. Como fazer isso? E como endereçar esforços conciliando o desenvolvimento e sustentação do software em produção?. Venha saber como as abordagens ágeis estão resolvendo esses desafios.

08:30 Credenciamento e Welcome Coffee
09:30 Abertura – Dairton Bassi (Agile Trends)
09:45 Mudamos, logo existimos!

Ana Claudia Mendonça (Tribunal Superior do Trabalho)

Entregar uma nova capacidade a uma organização requer uma mudança não só na nova forma de trabalhar ou na entrega de um software, mas também no engajamento e na transformação das pessoas. A mudança diz respeito ao negócio, tecnologia e processo, mas também é necessário olhar para a transição – que diz respeito às pessoas, para que a mudança seja instalada na cultura. Inspirados nos 8 passos da mudança de John Kotter, é possível fazer esse processo com a participação das pessoas.

O quê, quando e como avaliar a eXperiência do Usuário

Tiago Silva da Silva (UNIFESP)

O que você tem em mãos? Um concorrente? Um esboço? Um protótipo? Um produto “”pronto””?
Dependendo do artefato que você tem em mãos e do andamento do desenvolvimento do seu produto/projeto, você pode usar um método de avaliação. Obviamente, cada método possui um objetivo diferente.
Venha entender como você pode avaliar a usabilidade e a experiência do usuário com o que tem no momento.

Do repositório à produção: descomplicando a implantação de software

Stefano dos Santos (Digix)

Integrar pessoas, descobrir os problemas, priorizar o que realmente importa, criar a solução, ENTREGAR, obter feedbacks, acompanhar os resultados e repetir tudo isso constantemente. Todo este trabalho adiciona muita complexidade no dia-a-dia de todo time. Portanto, podemos e devemos simplificar e automatizar tudo o que for possível. Nesta sessão, veremos o que é necessário para automatizar 100% a entrega de seu software, do repositório à produção.

“Mas então quem é o gerente do projeto?” : personagens e situações enfrentadas por um time ágil num Senado Federal com 191 anos.

Frederico Marques (Senado Federal)

Sabemos todos que a filosofia ágil tem em seu alicerce a mudança cultural: sem que esta ocorra, as práticas, metodologias e ferramentas tendem ao fracasso. Tentar modificar a cultura de uma instituição é sempre um desafio, ainda mais em uma Casa criada há quase 200 anos. Nesse talk, a ideia é identificar, com bom humor, alguns personagens e situações enfrentadas pelos times ágeis da TI do Senado Federal, na árdua tentativa de modernizar não só a gestão interna, mas também o mindset dos clientes e gestores. Quem está lutando para implantar a filosofia ágil irá, com certeza, identificar muito bem tais casos em seu respectivo órgão. A ideia é compartilharmos as soluções para que encaremos juntos o desafio de construir o Governo do futuro. Não percam!

Comitê de TI e TimeBoxes em Sprints: Como atender a vários clientes dentro de uma organização.

Rafael Leandro Ferreira (Controladoria Geral da República)

Uma das grandes dificuldades enfrentadas na implementação de métodos ágeis em órgãos governamentais é conscientizar as áreas gestoras da importância em cumprir os tempos e tarefas necessários principalmente nas semanas que antecedem, ou seja, o planejamento da Sprint, e as semanas após o término da Sprint com a homologação do trabalho realizado. Na CGU implementamos um método de TimeBox que tem funcionado muito bem. Os gestores tem um planejamento antecipado das Sprints que ocorrerão durante o ano conforme priorizado pelo Comitê de TI e se comprometem respeitando os tempos determinados para o bom funcionamento de cada Sprint.

Como escalar DevOps quando tem muita gente envolvida?

Reynaldo Mincov Junior (IBM) e Adalton Luis Gonçalves (IBM)

Implementar DevOps em uma squad não é simples, onde mudança de cultura, mudança de processos e tecnologia são pontos chaves para o sucesso, mas e quando o objetivo é escalar globalmente em múltiplas squads?

11:05 Estudo de Caso de um Kanban na Taquigrafia do TST

Rodrigo Cardoso Vieira (Tribunal Superior do Trabalho)

Há pouco mais de um ano iniciamos a implantação de um kanban na taquigrafia do TST. No início, parecia que os problemas deles não poderiam ser resolvidos, ou minimizados, com as ferramentas e práticas de métodos ágeis. A situação inicial era de retrabalho, dificuldade de localizar onde cada parte do trabalho estava, apuração de estatísticas com falhas e desconfiança da equipe na justiça da distribuição de trabalho. Com o tempo, vimos que poderíamos dar os primeiros passos com ferramentas do Kanban. Mas mesmo assim, outras preocupações permaneceram, como a grande quantidade de itens de trabalho (+100 itens abertos e fechados em alguns dias) e com mudança de cultura que poderia vir para a equipe (+-50 pessoas). Vamos percorrer esse caminho evidenciando os desafios que nos apareceram, as ferramentas que utilizamos e mostrando algumas descobertas que fizemos por ele.

A principal medida de progresso em projetos de software

Alisson Vale (Software Zen)

Publicado em 2001, o Manifesto Ágil declara em um de seus princípios que “Software funcionando é a principal medida de progresso”. Nessa palestra, vamos colocar esse argumento à prova e demonstrar que há algo mais fundamental e mais importante do que software funcionando. Nossos produtos e releases são apenas meios para algo maior. Entender isso e concentrar seus esforços nesse algo pode ser a grande diferença entre o sucesso e o caos. Assim, o que não está dito no Manifesto é que há uma diferença entre um time que entrega apenas o que o cliente pede (um time eficiente) e um que entrega aquilo que o cliente precisa (um time eficaz). E é nessa segunda categoria que estão os grandes times Ágeis.

Metodologia Ágil a favor da Administração Pública, os desafios da construção de um portal em 3 semanas

Thiago Dieb (Empresa Brasil de Comunicação)

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC), empresa pública Federal.
Um dos principais veículos Web é o Portal EBC. O projeto está focado na reestruturação do Portal.
Um dos fatores que tornaram o Projeto uma realidade e em um case de sucesso foi a confiança sobre o processo e a metodologia ágil.
A sessão trará ao público como um projeto com diversos problemas pode se tornar uma realidade em 3 semanas, com o mínimo de recursos possíveis, ao final expondo quais foram os pontos negativos e as lições aprendidas da experiência de como fazer um projeto ágil em um cenário do governo federal.

O jogo dos troféus

Matheus Haddad (Webgoal)

A estrutura organizacional e o modelo de gestão utilizados por uma empresa ou instituição (pública ou privada) influenciam nas relações entre as pessoas e criam um “tabuleiro” onde um “jogo” social pelo poder acontecer. Esse jogo pode ser observado a partir de “troféus” que simbolizam conquistas e acúmulo de capital social dentro do contexto das organizações. Nessa Trend Talk você vai entender os mecanismos que estabelecem esse “jogo dos troféus” e aprenderá como mudar as regras desse jogo para criar valor para os clientes/cidadãos em vez de estimular uma disputa interna pelo poder.

SCRUM SetUp Canvas

Jorge Audy (DBServer)

O início de um projeto SCRUM exige uma série de parâmetros e combinações relativos a estratégia, tática e tecnologia, como declarar a solução atual, a nova a ser construída pelo projeto e seu diferencial competitivo, a arquitetura, boas práticas e ferramentas desejadas, a formato de sprint, métricas, DoR, DoD, ausências com férias, feriadões e licenças, além de uma análise sobre reserva técnica e atividades conhecidas para a Sprint Zero. Mais que uma palestra sobre um artefato, um debate sobre pré-requisitos e informações, técnicas e metodológicas, para um bom Release Plan.

Menos MiMiMi é mais vai lá e faz – como os times no Labbs do Banco do Brasil aplicam metodologias ágeis no desenvolvimento de soluções inovadoras

Kellen Serrano (Banco do Brasil)

O Labbs é um espaço de experimentação,dentro do Banco do Brasil , que permite a times organizados como iniciativas autônomas, aplicando metodologias ágeis, o desenvolvimento de novas soluções. É um novo mindset na forma como tratamos produtos e serviços para nossos clientes e principalmente um novo jeito de trabalhar.

12:15 Almoço livre
13:50 Adoção do método Ágil: impactos sob a ótica da qualidade de vida no trabalho

Nilva Veiga (SERPRO)

O método Ágil tem como proposta de atuação mudanças substanciais na vida de empregados que costumam atuar com desenvolvimento de soluções utilizando as tecnologias tradicionais. No entanto, a pergunta que fica é: todas as mudanças propostas pelo método redundam em melhoria na qualidade de vida no trabalho dos trabalhadores? Este estudo com empregados de um projeto piloto demonstrou que o método Ágil traz muitos impactos na vida dos trabalhadores, e alterou principalmente aspectos da organização do trabalho, relações socioprofissionais e condições de trabalho. Em alguns casos, essas transformações foram positivas e fontes de bem-estar; em outros, foram negativas e fontes de mal-estar no trabalho.

Ágil ou não, é do resultado que eles gostam mais

Michelle Kakoi (Tribunal de Justiça)

A resistência e dificuldade na mudança de cultura relacionada à implantação das boas práticas ágeis é um fato conhecido. Para enfrentá-las, nada mais convincente que os resultados alcançados. Nas experiências embrionárias do TJDFT de uso das boas práticas ágeis, mesmo com baixa maturidade, com pouco conhecimento, sem treinamento adequado e muitas outras barreiras, os resultados falaram por si. E foram úteis, não apenas para convencer os membros dos times de que o caminho a seguir é esse, mas também as autoridades da casa.

DevOps, por que agora? Desafios para implementação nas organizações públicas

Fabio Reginaldo (Quode Project)

Cada vez mais a cobrança por eficiência, redução de custos, aumento de qualidade, eliminação de desperdícios está no topo das discussões acerca de projetos, organizações de TI e outras estruturas. Abordaremos a linha do tempo, conceitos e práticas para alinhamento dos desafios, como segue:
O que é o DevOps e de onde vem; Quais as diferenças e intersecções com Agile, ITIL, COBIT; é escalável ou só aplicável a uma equipe; em quais equipes e setores teremos impacto na organização; o que o mundo tem visto de retorno com o DevOps; como ele vem mudando o cenário das organizações para entrega de software; e está mudança, é para já?

Repensando a cultura organizacional com o people centric management

Flávio Alves (Novatics)

Os novos modelos de trabalho estão crescendo e desafiando as organizações a repensarem suas regras e seus modelos para que possam continuar competindo e retendo talentos. É intrigante, pra não dizer assustador, que mesmo em um modelo de produção pautado no conhecimento, muitas empresas utilizam mecanismo de gestão fortemente baseado no modelo industrial. Com todos seus organogramas, papeis e relações de poder. Romper essa barreira (com “todo mundo querendo te f%d$r”) e caminhar para um modelo de co-propriedade parece ser romântico, será impossível?

“Kung fu leader”: quer conquistar faixas? Entre nesse jogo.

Alana Cavalcanti (SERPRO)

A comunidade de práticas, CoP Liderança Coaching, de uma empresa​ pública tinha como objetivo: engajar pessoas a participarem​ e contribuírem com materiais e ferramentas de gestão, trabalho em equipe e desenvolvimento pessoal, além de gerar resultados com as práticas propostas. Mas, como era possível engajar pessoas, espontaneamente, nesse projeto de autodesenvolvimento? Em 2016, foi criada a gamificação da CoP Liderança Coaching, a qual foi batizada de Kung fu leader. Entenda como esse jogo funciona e quais foram os principais benefícios que fizeram a comunidade atingir o engajamento esperado de um jeito estimulante e inovador.

Foco no valor! Utilizando BDD para melhorar a comunicação e entregar valor aos clientes.

Allan Rett Ferreira (Softplan) e Guilherme Azevedo Cardozo (Softplan)

O objetivo da palestra é demonstrar um case de desenvolvimento de um grande produto da Softplan com a utilização do BDD – Behavior Driven Development. Como propósito, o BDD visa agregar uma série de vantagens, como a melhoria de comunicação entre stakeholders, compartilhamento de conhecimentos, documentação e linguagem única e simplificada e proporcionar uma visão ponta a ponta. Na oportunidade, iremos demonstrar como foi realizada a comunicação entre os stakeholders e como a utilização de uma linguagem única e simplificada foram os fatores críticos para o sucesso do desenvolvimento. Faremos a decomposição do BDD, demonstrando cenários desenvolvidos diretamente a partir da necessidade do cliente. Por fim, exibiremos os benefícios e dificuldades na utilização da técnica.

15:10 One Minute Talk

Esse formato foi pensado para abrir espaço a mais ideias de impacto e para potencializar a interatividade e o networking entre os participantes do evento.

One Minute Talk

Esse formato foi pensado para abrir espaço a mais ideias de impacto e para potencializar a interatividade e o networking entre os participantes do evento.

One Minute Talk

Esse formato foi pensado para abrir espaço a mais ideias de impacto e para potencializar a interatividade e o networking entre os participantes do evento.

15:40 Coffee-break & networking
16:10 Painel: Como a motivação dos colaboradores pode ser estimulada no Setor Público?

A participação e engajamento das pessoas é fundamental para um bom ambiente de trabalho e para os resultados da equipe, por isso o aumento da motivação da equipe é um fator importante e ao mesmo tempo desafiador para líderes e gestores. É possível aumentar a motivação dos servidores? Quais são os efeitos colaterias no longo prazo? Venha e traga as suas perguntas para essa discussão.

Painel: Como acelerar a adoção das práticas e metodologias?

Mudar o hábito das pessoas é difícil. Grande parte dos fracassos na industria de software acontecem por falta de uma metodologia de desenvolvimento ou porque os envolvidos não seguiram a metodologia definida. Por isso, a implantação de uma metodologia ou mesmo de apenas uma técnica exige muito empenho por muito tempo. Venha descobrir como realizar implantações efetivas de novas técnicas processos dentro do ciclo de desenvolvimento de um softwre.

Painel: Como a minha equipe pode se tornar mais produtiva?

Conhecer muitas técnicas ágeis é importante para lidar com os desafios do dia-a-dia de um projeto. Dentre tantas opções, quais metodologias e práticas eu devo usar com a minha equipe? Como posso medir a produtividade e as entregas? Como DevOps e testes podem me ajudar neste desafio? Conheça com mais detalhes as técnicas que podem colaborar com o aumento da produtividade da equipe que você participa ou gerência.

17:10

Happy Hour & Networking

Após a última apresentação, estendemos a programação com um grande happy hour para todos os participantes, palestrantes e patrocinadores. Uma ótima oportunidade de networking e troca de experiências!

Quarta-feira, 16 Ago

Trilha
Gestão de Contratos
Trilha
Transformação Digital
Trilha
Governo nas Nuvens

A contratação e a gestão de contratos de fornecedores é um dos grandes desafios para a adoção de agilidade no Governo. Mas algumas instituições tem encontrado formas de usar práticas ágeis para aumentar o valor e a qualidade entregues pelos fornecedores.

Agile tem sido um elemento essencial no processo de inovação no Governo e em grandes corporações, transformando as áreas de tecnologia e de negócios. Venha descobrir os desafios enfrentados por essas instituições e como o uso de agile tem gerado uma grande vantagem competitiva para a entrega de soluções para seus usuários.

Soluções na nuvem continuam crescendo sua participação e importância no Setor Público. A utilização de ambientes decentralizados deve ser precedida por novos requisitos e pelo entendimento de suas implicações. E acompanhada por novas maneiras de administrar recursos e prover serviços. Venha conhecer as perspectivas, possibilidades e contrapartidas criadas a partir de soluções em nuvem no Governo.

09:00 Credenciamento e Welcome Coffee
09:30 Métodos Ágeis e Pontos de Função: Aliados ou Inimigos?

Plínio Sales (Ministério do Planejamento) e Vinícius Silva (Ministério do Planejamento)

É muito comum ouvirmos que Contratações de Engenharia de Software baseadas em Métodos Ágeis não seriam possíveis com a utilização de Pontos de Função e ou que Métodos Ágeis não seriam compatíveis com Pontos de Função e ou que a utilização de Pontos de Função seria a causa de iniciativas frustradas de terceirização de Engenharia de Software no Governo Federal.
No MPDG criamos e continuamos desenvolvemos continuamente desde 4 anos atrás um Modelo, baseado no Processo de Entrega de Soluções (PES), que contraria estas premissas, o que nos possibilitou entregar neste 4 anos, com agilidade e qualidade, dezenas de Aplicações por meio da terceirização de Serviços de Engenharia de Software. Nesta Palestra apresentaremos nossa experiência e as evoluções mais recentes deste Modelo de Contratações e do Processo de Entrega de Soluções (PES).

Desafios e dificuldades na jornada de adoção do ágil em uma organização de grande porte como o Itaú

Cecílio Cosac (Itaú)

A jornada para adoção de abordagens ágeis em uma grande organização como o Itaú passa por uma série de desafios relacionados ao próprio porte da organização. A heterogeneidade de necessidades e soluções impõe variações na abordagem ágil de acordo com características técnicas, mercadológicas e até mesmo legais, que colaboram para diferentes contextos dentro da mesma organização, reforçando o lema que “One size does not fit all”. Além disso, aspectos culturais, motivacionais e institucionais contribuem para desdobramentos que vão muito além da simples adoção de um Framework Ágil de mercado.
Venha saber mais e entender os desafios e alternativas encontradas ao longo desta jornada!

Tecnologias para diminuir o time-to-market

Boris Kuszka (Red Hat)

No mercado atual, para se manter relevantes e competitivos, é necessário a criação de novos serviços e canais, com um time-to-market extremamente reduzido. Para isso abordagens como DevOps e ferramentas de desenvolvimento ágil, infraestrutura de cloud e grande automação é imprescindível para conseguir se destacar e sair do lugar comum. Essa infraestrutura que é comum nas Startups também precisa estar disponível nas grandes instituições governamentais e empresas privadas. Por terem um grande legado tecnológico, o desafio é a modernização e integração desse legado com uma segunda plataforma: moderna, ágil, autoescalável e sem lock-in.

A criação da cultura de alta qualidade no ateliê de software do Itamaraty

Gustavo Maultasch (Itamaraty)

Há 2 anos o Itamaraty abandonou o modelo tradicional de “fábrica de software” (com waterfall e ponto de função) e implementou modelo bem-sucedido de “ateliê de software”, baseado na filosofia do “software craftsmanship”. Junto com esse modelo, o Itamaraty trabalhou – e continua trabalhando – no fomento de uma cultura de alta qualidade e de melhoria contínua, que tem sido fundamental para o sucesso que o modelo de ateliê tem alcançado.
Nesta palestra apresentaremos os detalhes desse trabalho de curadoria da cultura. A partir de um modelo teórico de comportamento organizacional, serão apresentadas as premissas (alta expectativa, qualificação da equipe, autonomia, ética profissional, lean/otimização do fluxo, melhoria contínua), práticas (proteção da equipe, comunicação horizontal, afastamento pragmático, “bombas” técnicas, rodízios, narrativas, demandas ganha-ganha, dentre outras) e mecanismos contratuais (pirâmide invertida, vinculação da planilha de custos, recusa de entrega, pagamento na produção, penalização) que fazem essa cultura de alta qualidade prosperar no dia a dia do ateliê.

O novo papel do PMO na Transformação Digital

Gino Terentim (Caixa Econômica)

Em meio ao processo de Transformação Digital, com a revisão do Planejamento Estratégico, e evolução da estrutura, cultura e processos da CAIXA, o Escritório de Projetos encontrou uma oportunidade de adicionar valor às pessoas e à empresa promovendo o compartilhamento de conhecimento por meio de treinamentos e programas de capacitação inovadores e participativos. Os resultados começaram a aparecer rapidamente, refletidos no índice de maturidade em Gerenciamento de Projetos e, principalmente, na percepção do valor do PMO para seus stakeholders e clientes.

Estaleiro: mais que uma nuvem

Gleison Tavares Diolino (Serpro)

Estaleiro é a solução para a provisão de plataformas como serviço ou PaaS (Platform as a service) e entrega contínua do SERPRO. A solução utiliza um conjunto de tecnologias abertas para a implementação de uma infraestrutura ágil, que permite o provisionamento e escalonamento de ambientes de forma automatizada, o versionamento e a implantação de infraestrutura como código, a execução de pipelines de entrega, entre outras funcionalidades necessárias para agilidade na infraestrutura e operação de sistemas. As tecnologias empregadas no Estaleiro são mantidas por comunidades formadas por grandes empresas como Google, Facebook, Elastic, Amazon, VMWare, RedHat e o próprio SERPRO, que é membro ativo dessas comunidades e contribui frequentemente com a implementação de correções, melhorias e evoluções das ferramentas.

10:50 Fishbowl: Como agilidade pode ajudar em contratos de escopo fechado?

Sabemos que uma quande quantidade de contatos de software se baseiam em abordagens tradicionais. Isso é um fato e, infelizmente, não mudará no curto prazo. Mesmo assim, é possível se beneficiar de abordagens ágeis para obter melhores entregas em contratos desse tipo. Venha saber como outras instituições estão lidando com este contexto e que práticas ágeis tem sido conciliadas para gerar valor mesmo com restrições pré-estabelecidas.

Fishbowl: O que fazer enquanto a transformação não acontece?

Quando a transformação não chega por falta de decisões estratégicas ou por lentidão no processo de mudanças, é possível fazer algo? Como posso ajudar acelerar ou a incentivar a transformação? Será que eu consigo mudar só uma parte da empresa? É possível transformar só a minha área? Eu não aguento mais! Quem, dentro da instituição, pode facilitar mudanças locais?

Fishbowl: Nuvens, riscos e falácias. O que realmente pode dar errado e como mitigar?

Instituições que utilizam soluções em nuvem conseguem manterem-se com autonomia? Os fornecedores estão preparados para oferecer o nível de serviços adequado? A segurança da informação ainda é um ponto de preocupação? Como mitigar custos? Quais regulações se aplicam facilitando e dificultando a manutenção dos serviços? Venha para uma discussão onde você poderá conhecer e compartilhar perspectivas e experiências sobre fatores críticos para serviços em nuvem.

11:50 Almoço livre
13:30 Quanto custa ou quanto vale?

Eduardo Weller (Banco Central)

Estamos em uma armadilha: ao nos apegarmos a métricas e indicadores associados quase que exclusivamente ao custo de uma solução, geralmente derivado a partir do esforço de sua implementação, continuaremos reféns do “custo-incompetência”. Toda solução tem um custo, porém uma solução que não entrega valor ao cliente não é uma solução – é só um custo. É necessário mensurar e gerenciar valor, tanto quanto mensurar e gerenciar esforço e custo.
Pra complicar um pouco mais: nem sempre o valor se traduz em retorno financeiro para a empresa… e não, entrega de valor não é, necessariamente, proporcional ao esforço realizado!
Durante a palestra vamos conversar sobre a necessidade urgente de nos reorientarmos à entrega de valor, com impactos na cultura interna da organização e nas contratações de TIC, a partir das experiências vividas no Banco Central do Brasil.

Case de Implatanção do Ágil no SERPRO

Iran Porto (SERPRO)

Apresentar a estratégia adotada pelo SERPRO para implantar metodologias ágeis, tanto nos times de desenvolvimento, num primeiro momento, como nos times de infraestrutura.
Será apresentado o projeto de infraestrutura ágil que revoluciona a forma de prover ambientes para os times de desenvolvimento, diminuindo significativamente o tempo de entrega de um produto para os nossos clientes e para o cidadão.

A construção de uma oferta de nuvem para instituições de ensino e pesquisa brasileiras.

Helder Vitorino de Souza (RNP)

Apresentar a experiência da RNP( Rede Nacional de ensino e Pesquisa) no processo de discussão e construção conjuntamente com as universidades Federais,
Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia como também as Unidades de Pesquisa e como isto tem influenciado na construção de um modelo para oferta de computação em nuvem para estas instituições.
Apesar da tecnologia esta aparentemente pronta e disponível para uso já há algum tempo, há questões e inquietações que que precisam ser esclarecidas e pacificadas para chegarmos num efetivo pela área de educação e pesquisa sobretudo quando estas são instituições públicas.

Quiz de Contratações de TI

Herbert Parente (Conselho Superior da Justiça do Trabalho)

Contratação de TI, conforme IN04/SLTI ou Resolução 182/CNJ, é complexo e cheio de percalços. Este talk não será mais um do mesmo sobre esse assunto.
Durante os 25 minutos iremos rodar um GAME QUIZ com diversas perguntas (teóricas e práticas) que irá testar seu conhecimento sobre Contratações de TI e, principalmente, como está sua vivência acerca da IN04 e Resolução 182. Ao final, brindes serão serão dados os campeões. Teste seu conhecimento.

Governo Digital: tendências e desafios – visão do controle

Márcio Braz (TCU)

Muitas corporações, em especial as maiores, têm tido dificuldades para adaptar-se à velocidade das mudanças dos tempos digitais. E não tem sido diferente com os governos ao redor do mundo. Os movimentos populares – catalisados pelas redes sociais – demonstram a emergência de uma nova onda democrática: um cidadão conectado que pressiona por governos e organizações mais transparentes, abertas e conectadas com as necessidades da sociedade. A palestra aborda quais os principais desafios enfrentados pelo governo brasileiro para superar as limitações do governo eletrônico e entrar na era do governo digital.

Uso de Nuvens Públicas pelo Setor Público Brasileiro: Oportunidades e Desafios

Vinicius Silva (Ministério do Planejamento) e Plínio Sales (Ministério do Planejamento)

O interesse do Setor Público Brasileiro em utilizar Nuvens Públicas tem sido cada vez maior, numa realidade de forte contenção orçamentária, reduzidas capacidades de investimentos, necessidade de melhoria da eficência operacional do Setor Público e cobrança da sociedade pela expansão da entrega de serviços públicos digitais para os cidadãos e para as empresas. Ao mesmo tempo que oferece diversas oportunidades para a digitalização do Setor Público Brasileiro o uso de Nuvens Públicas também apresenta desafios: lock-in, segurança da informação, governança de TIC, entre outros. Nesta Palestra vamos apresentar a experência da SETIC na utlização de Nuvens Públicas desde 2016 e as práticas que tem sido desenvolvidos e aplicadas para endereçar estes desafios.

14:50 Para método ágil, use métrica ágil – Ponto de Cenário de Teste

Claudson dos Santos Melo (Tribunal Superior do Trabalho)

No Tribunal Superior do Trabalho, nas contratações de fábrica de software, a adoção de métodos ágeis com o uso de testes automatizados: testes unitários e, principalmente, testes de aceitação – BDD, tem colaborado com melhores entregas de produtos de software, bem como na facilidade de se validar as entregas.
Diante dos diversos empecilhos encontrados com o uso da Análise de Ponto de Função, os técnicos envolvidos nas contagens de pontos de função elaboraram métrica e dinâmica que promovem o uso dos testes de aceitação pela empresa contratada e que, por fim, resulta em outros benefícios à execução contratual.

Product Discovery: envolvendo o time e cliente para co-criar soluções assertivas

Glauber Laender

Já sabemos que a colaboração com o cliente na concepção de um produto é importantíssimo para o sucesso da solução. Existem ferramentas e metodologias para incentivar o trabalho co-criativo e imersivo, mas como escolher o melhor método e até onde vale a pena utiliza-las by the book? Direto ao Ponto? Google Design Sprint? UX Design? Nessa palestra irei compartilhar os sucessos e fracassos utilizando algumas ferramentas das metodologias mais conhecidas do momento, aplicadas em clientes reais e como podemos combina-las para cada cliente ou produto.

Otimizando Hoje e se Preparando para o Amanhã: Tecnologias disruptivas versus regulamentações, como o Governo poderia chegar a um denominador comum?

Alexandre Sousa (Oracle)

Tecnologias disruptivas das mais diversas que poderiam causar uma grande mudança em nossas vidas, estão amplamente disponíveis, mas a realidade é que muitas vezes a tecnologia e a cultura estão em lados opostos na balança. Como então liberar as amarras, evoluir drasticamente o estado atual do provimento de serviços à sociedade, abraçar de vez a 4° revolução industrial e se tornar um modelo a ser seguido?

Metodologia Ágil e Patrimônio Cultural Brasileiro: uma mistura que deu ‘SICG’

George da Guia (IPHAN)

O sucesso na utilização de metodologias Ágil é fácil de ser obtido em empresas ou instituições recém-formadas, onde processos e procedimentos são desenhados à medida que as atividades vão se desenvolvendo. Contudo, em instituições com forte tradição e consolidada cultura institucional—como é o caso do IPHAN que em 2017 completa 80 anos de existência— os desafios não foram fáceis de serem vencidos. Qual a vantagem de se utilizar a metodologia ágil? Vai trazer benefícios? Para que um sistema de informações geograficamente integradas? O objetivo deste talk é compartilhar a experiência de um Product Owner (Gestor Negocial), sem formação na área de T.I, que topou o desafio de ser parte da equipe para o desenvolvimento de um sistema todo em software livre e inteligência geográfica utilizando metodologia Ágil. Apresentaremos o processo de desenvolvimento do Sistema Integrado de Conhecimento e Gestão-SICG/IPHAN que inovou a forma de se pensar a gestão da informação do patrimônio cultural brasileiro. “Dê um like” e venha conhecer a trajetória, as estratégias, desafios e as soluções adotadas para fazer frente a uma cultura institucional consolidada e aos marcos legais para a área de tecnologia da informação.

O Processo de Transformação Ágil na SGI

Gustavo Malheiros (SGI – MS)

O caminho de adoção de métodos e práticas ágeis, em geral são extremamente desafiadores. Em órgãos públicos então, lidamos com diversas variáveis de aspectos culturais, burocráticos e gerenciais, que podem engessar o processo de adoção. Entenda como está sendo essa transformação na SGI (Superintendência da Gestão da Informação) do estado de MS, uma organização com 12 times de desenvolvimento de software com 160 colaboradores:
– quais as práticas utilizadas
– como foram divididos os times
– quais os desafios encontrados
– quais os resultados já obtidos
– o modelo de maturidade onde queremos chegar

Computação em Nuvem como impulsionador para agilidade e transformação digital dos serviços governamentais

Wesley Almeida (Cotidiano)

A TI para proporcionar a Transformação Digital das organizações tem um papel cada vez mais estratégico. A Computação em Nuvem torna-se uma aliado do processo de Digitalização, primeiro ao repassar atividades operacionais para provedores de serviços, reduzindo os custos de TI e trazendo o foco do time para inovação. Ao mesmo tempo, a simplificação da gestão, aprovisionamento e consumo de recursos de TI no modelo de computação em nuvem permite às equipes de desenvolvimento ágeis criar mais experimentos e intensificar o lançamento de serviços de inovação com foco nos cidadãos.

16:00 Coffee-break & networking
16:30 One Minute Talk

Esse formato foi pensado para abrir espaço a mais ideias de impacto e para potencializar a interatividade e o networking entre os participantes do evento.

One Minute Talk

Esse formato foi pensado para abrir espaço a mais ideias de impacto e para potencializar a interatividade e o networking entre os participantes do evento.

One Minute Talk

Esse formato foi pensado para abrir espaço a mais ideias de impacto e para potencializar a interatividade e o networking entre os participantes do evento.

17:00 Painel: Caminhos e alternativas para gestão ágil de contratos

A evolução na forma como os contratos com o setor privado são geridos é se essencial importância para o melhor aproveitamento dos recursos públicos investidos em tecnologia. Sabemos que essas evoluções fazem parte de um caminho longo e que precisa ser construído. Venha saber o que de mais novo está sando já está sendo feito e o que enxergamos como os próximos passos dessa jornada.

Painel: Fatores chave para Transformações Digitais de sucesso

A transformação digital de uma grande instituição requer, além de muitos investimentos, atenção a detalhes e a fatores que vão além das questões técnicas. Venha entender como uma transformação é conduzida e quais elementos precisam ser tratados para que, ao final do processo, tenha-se uma nova geração produtos tecnológicos e uma instituição renovada capaz de atender as necessidades do mercado e do seu público.

Painel: Tendências de uso de nuvem no Governo

O potencial dos benefícios oferecidos pela computação em nuvem são enormes, incluindo redução de custos e estabilidade do oferecimento dos serviços. Contudo, a segurança da informação é um fator crítico que deve ser cuidadosamente considerado. Os riscos dependerão da sensibilidade da informação armazenada ou processada e dos termos dos contratos com os fornecedores. Venha saber como intituições públicas estão equalizando esses fatores para tirar vantagens dessa tecnologia.

18:00 Encerramento e Troféu

 

Cursos associados

Curso Data Local Ministrado por Detalhes Disponibilidade
UX Criando produtos digitais com Lean (Desburocratização de Processos) 17 / Agosto Brasília – DF Glauber Laender Ementa Inscrições encerradas
UX Workshop Agile na Prática 17 / Agosto Brasília – DF Dairton Bassi Ementa Inscrições encerradas
Gestão Gestão Proibida 17 e 18 / Agosto Brasília – DF Matheus Haddad Ementa Inscrições abertas
UX Workshop de Testes de Usabilidade em Ambientes Ágeis 14 / Agosto Brasília – DF Tiago Silva da Silva Ementa Inscrições encerradas